conclusão bolsa de valores
Por: Tiago Reis

Risco sistemático e não sistemático: Entenda a diferença entre eles

Você sabe a diferença entre risco sistemático e não sistemático?

Entender bem o que significa o risco sistemático e não sistemático e saber diferencia-lós é muito importante para lhe ajudar nos seus investimentos.

Estes riscos afetam diariamente, por exemplo, os preços das ações.

Eles também pode influenciar drasticamente as expectativas do mercado em relação ao futuro da economia.

Portanto, é imprescindível conhecer estes conceitos, além de saber estima-lós corretamente.

Guia de Economia para Investidores

Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

O risco sistemático

risco sistemático
O risco sistemático, como o nome indica, diz respeito ao sistema como um todo.

Ou seja, ele é o risco geral, no qual todas as empresas estão inseridas.

Uma variável que afete o risco sistemático, irá afetar todas as empresas componentes deste sistema.

Um exemplo seria uma crise que afete toda a economia brasileira.

Esta, então, afetaria todas as empresas brasileiras, não importando o setor que a companhia atue.

Obviamente, algumas empresas ou setores sofrerão mais, outras menos.

Mas o que importa é que uma crise sistêmica afeta, de uma forma ou de outra, todos os componentes deste sistema.

O risco sistemático é conhecido também como risco não diversificável, pois, diferentemente do risco não sistemático, ele não pode ser anulado.

Ao se investir em empresas brasileiras, é impossível que o investidor anule o risco sistêmico, pois todas as empresas estão suscetíveis a serem afetadas por choques na economia do país.

Alguns países possuem percepção de risco sistemático maiores que outros.

Por exemplo: Onde você acha mais seguro investir, no Brasil ou nos EUA?

Como o EUA é  um país mais estável, com uma economia já consolidada e uma moeda forte, que é o dólar, pode-se dizer que é uma economia com menos volatilidade.

Portanto, a percepção de risco sistemático nos EUA é menor que a percepção de risco sistêmico no Brasil.

São exemplos de medidas que influenciam o risco sistemático:

  • Queda acentuada do PIB por um longo período
  • Crise política
  • Insegurança jurídica no país

O risco sistemático pode ainda ultrapassar países e influenciar toda a economia global.

Um grande exemplo disto foi a crise de 2008, que começou nos EUA mas teve impacto em todo o mundo.

Risco não sistemático

risco diversificávelDiferentemente do risco sistemático, o risco não sistemático, como o próprio nome já deixa claro, não diz respeito ao sistema como um todo.

O risco não sistemático, ou o risco diversificável, diz respeito a empresas ou setores específicos.

Por exemplo: Imagine que você seja dono de uma empresa, e que 90% de sua receita venha de apenas um cliente. Este cliente, então, cancela o contrato com a sua empresa.

Suas empresa estará agora em imensa dificuldade. No entanto, nada ocorreu com as outras empresas da economia, pois este foi um efeito que afeta apenas a sua empresa.

O risco não diversificável pode afetar também não apenas uma empresa, mas todo um setor.

Suponha que o governo brasileiro, buscando melhorar a qualidade de habitação da população de baixa renda, forneça um subsídio para as moradias deste setor.

Esta medida afetará, portanto, todas as construtoras que constroem para o setor de baixa renda, pois elas terão agora um estímulo maior para a produção.

Um outro exemplo de medida que afeta todo um setor é o programa do FIES, um subsídio para o ensino superior.

Todas as empresas educacionais brasileiras, listadas em bolsa e que possuem serviços de curso superior, são influenciadas por este programa.

Um fato interessante a respeito do risco diversificável é que ele pode ser reduzido.

Imagine que você possui em sua carteira apenas empresas educacionais, se o governo resolver retirar o incentivo ao ensino superior sua carteira provavelmente sofreria um grande baque.

No entanto, caso você possua uma carteira diversificada, com apenas uma parcela dos seus investimentos exposta a este risco, o impacto seria bem menor.

Por isto, é importante sempre buscar diversificar os riscos de uma carteira de investimentos.

Conclusão sobre o risco sistemático e não sistemático

conclusão riscoÉ crucial para o investidor ter bem fixado em sua mente estes dois conceitos, inclusive a diferença entre estes dois tipos de risco.

Ter este conhecimento faz muita diferença no processo de montagem de uma carteira de investimentos.

O risco diversificável e o risco não diversificável afetam diretamente a rentabilidade dos seus investimentos.

Portanto, o investidor deve ter total conhecimento do risco sistemático e não sistemático. Assine a Suno e vejas nossas carteiras recomendadas que contam com diversificação de riscos!

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

1 comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • RODRIGO REIS TEIXEIRA 19 de outubro de 2019

    Ajudou-me bastante! Parabéns!

    Responder
Leia Mais...
Outras Seções

Ações

209 artigos
Ações

FIIs

54 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!

CORONAVÍRUS, PETRÓLEO, ECONOMIA E INVESTIMENTOS. VOCÊ JÁ SABE O QUE FAZER?​