Acesso Rápido

    Resumo da Semana: Fusão de Eneva e AES Tietê, Aquisição da Hypera, Berkshire Hathaway desmente IRB e novo CEO da CVC.

    Resumo da Semana: Fusão de Eneva e AES Tietê, Aquisição da Hypera, Berkshire Hathaway desmente IRB e novo CEO da CVC.

    O índice Ibovespa encerrou a última semana registrando 97.996 pontos, o que representou, na última sexta-feira (06), uma variação negativa de – 4,14%. Na semana, o principal índice de ações negociadas na bolsa de valores brasileira teve uma expressiva desvalorização: cerca de -5,90%. Em 2020, o índice segue negativo, com uma baixa de -15,26% até o momento.

    Já o Ifix – o índice de referência dos Fundos de Investimentos Imobiliários – historicamente se provou uma excelente alternativa de entrada no mercado de renda variável para os investidores iniciantes, dada a sua baixa volatilidade histórica. Na última sexta-feira, por exemplo, o índice encerrou o dia aos 2.966 pontos, o que representou uma baixa de – 0,92% no dia. Na mesma semana e no acumulado de 2020, o índice performou: 0,08% e -7,23%, respectivamente. 

    Eneva propõe acordo de fusão com AES Tietê.

    A Eneva realizou, por meio de um fato relevante divulgado no último domingo (1), uma proposta de fusão com a AES Tietê, que poderia criar uma empresa de R$ 6,6 bilhões.

    • A companhia de energia é controlada pelo BTG Pactual e pelo fundo Cambuhy Investimentos, e fez uma proposta baseada em um pagamento via 60% em ações e 40% em dinheiro;
    • Caso seja aprovada, a fusão criará a segunda maior geradora privada do Brasil, com capacidade de geração de 6,1 mil megawatts (MW) e faturamento anual de R$ 5 bilhões;
    • A proposta está sujeita à aprovação pelos acionistas da empresa e da AES Tietê, além do Cade e da Aneel;
    • A AES Tietê possui um parque gerador composto majoritariamente por hidrelétricas. É do interesse da companhia diversificar seu parque com outras fontes renováveis;
    • Por sua vez, a Eneva, além da geração de energia, atua na exploração e produção de hidrocarbonetos.

    Hypera Pharma compra portfólio de medicamentos sem prescrição da Takeda.

    A Hypera Pharma confirmou nesta segunda-feira (2) que adquiriu o portfólio de medicamentos sem prescrição da Takeda Pharmaceutical International por cerca de R$ 3,7 bilhões.

    • O novo portfólio conta com medicamentos conhecidos como Neosaldina, Dramin e Nesina, e teve receita líquida de aproximadamente R$ 900 milhões no ano passado;
    • A transação avalia o mesmo em 9,4x EV/EVITDA;
    • A Hypera informou que já tratou com os bancos sobre as linhas de crédito que serão necessárias para o financiamento do negócio;
    • Após a aquisição, a Hypera Pharma será a maior empresa farmacêutica no Brasil.

    5 Amostras Gratuitas para você conhecer a Suno!

    Conheça a Suno: cadastre-se e receba 5 amostras totalmente gratuitas dos relatórios e materiais que enviamos aos nossos assinantes.

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Berkshire Hathaway desmente compra de ações da IRB Brasil.

    A empresa de Warren Buffett desmentiu, nesta terça-feira (3), a compra de ações da IRB. A informação tinha sido divulgada na semana passada pelo jornal “O Estado de S.Paulo”.

    • “Surgiram relatos recentes na imprensa brasileira que a Berkshire Hathaway Inc. teria se tornado acionista da IRB Brasil RE. Esses relatos são incorretos. A Berkshire Hathaway não é atualmente um acionista da IRB, nunca foi e não tem intenção de se tornar”, salientou a empresa do megainvestidor;
    • A nota é assinada pelo vice-presidente financeiro da Berkshire, Marc D. Hamburg;
    • Segundo reportou o “O Estado de S.Paulo” na última semana, entre os dias 6 e 18 de fevereiro a empresa de Buffett teria aumentado sua posição no IRB, chegando a R$ 900 milhões investidos;
    • A própria resseguradora tinha chegado a confirmar, em uma teleconferência realizada antes da abertura do mercado, a compra de ações por parte da Berkshire Hathaway;
    • Depois de toda essa crise, Werner Suffert assumiu a posição de vice-presidente financeiro da empresa;
    • As ações do IRB caíram cerca de 58% desde o começo do ano.

    Leonel Andrade será o novo CEO da CVC.

    O presidente da CVC, Luiz Fernando Fogaça, apresentou nesta quinta-feira (5) sua renúncia ao Conselho de Administração da empresa de turismo.

    • Segundo o documento, Leonel Andrade, ex-presidente da Smiles, foi nomeado pelo Conselho o novo CEO da CVC;
    • O mesmo também faz parte do Conselho de Administração da BR Distribuidora e da Lojas Marisa, além de ter liderado a Credicard durante 6 anos e ter sido o diretor executivo de negócios da Visa;
    • Em 2017 e 2016, Leonel foi eleito pela “Institucional Investor” como o melhor CEO de Serviços Financeiros da América Latina;
    • Na última sexta-feira (28), a empresa divulgou um fato relevante sobre os equívocos nos balanços de resultados;
    • Além disso, o agravamento do coronavírus, a quebra da Avianca, o vazamento de óleo no Nordeste e a grande desvalorização cambial pressionaram as ações da empresa, que desvalorizaram cerca de 64% desde a máxima;
    • O mercado reagiu positivamente a notícia, visto que as ações subiram 16,35% nesta sexta.