A Tupy divulgou ontem (07) os seus resultados do 2T18 e, de acordo com o informado pela companhia, os destaques se fizeram através de uma forte geração de caixa operacional e também pelo crescimento significativo do retorno sobre o seu capital investido.

Ainda no mesmo período, as receitas da companhia totalizaram R$ 1.218,2 milhões (maior valor trimestral da história) o que representou um aumento de 32,3% na comparação com o 2T17, oriundo principalmente do crescimento do volume, desvalorização do BRL e repasse de aumentos dos custos com matérias-primas verificados desde o 4T17.

Tal fator foi primordial para o resultado de um EBITDA de R$169,1 milhões no 2T18, crescimento de 164,7% ante o mesmo período do ano anterior. A margem em relação à receita líquida foi de 13,9%, aumento de 7,0 pontos percentuais em relação ao 2T17. O EBITDA ajustado no 2T18 foi de R$180,8 milhões, com margem de 14,8%.

Interessante destacar, ainda, que durante o 2T18, o resultado financeiro líquido foi uma despesa de R$13,2 milhões, ante R$4,4 milhões no 2T17, conforme é possível perceber abaixo.

Com isso, o resultado líquido da Tupy foi um lucro de R$48,3 milhões no 2T18, aumento de 203,2% ante o mesmo período do ano anterior.

Complementarmente, no 2T18 a companhia gerou R$162,4 milhões de caixa oriundos das atividades operacionais, ante geração de R$77,1 milhões no 2T17. O forte crescimento em relação ao 2T17 deveu-se, principalmente, ao aumento da receita e incremento das margens em relação ao mesmo período do ano anterior.

Em relação às atividades de investimentos, foram dispendidos R$32,8 milhões no 2T18, redução de 17,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No que tange às atividades de financiamentos, durante o 2T18 verificou-se consumo de R$47,9 milhões, decorrentes principalmente do pagamento de empréstimos e financiamentos no valor de R$10,3 milhões (vs. R$79,2 milhões no 2T17), além da distribuição de juros sobre capital próprio no montante de R$37,5 milhões aos nossos acionistas.

Por fim, a combinação desses fatores e da variação cambial sobre o caixa, resultou no acréscimo da disponibilidade de caixa no montante de R$119,4 milhões no período, de forma que a companhia encerrou o 2T18 com saldo de R$614,1 milhões.

Não poderia deixar de ser mencionado, também, que a companhia encerrou o 2T18 com endividamento líquido de R$897,2 milhões, ou seja, a relação entre dívida líquida e EBITDA Ajustado nos últimos 12 meses correspondeu a 1,44, patamar esse que avaliamos estar dentro daquilo que considerável ser saudável para qualquer companhia.

As obrigações em moeda estrangeira representam 92% do total (sendo 3% do curto prazo e 97% do longo prazo), enquanto 8% do endividamento estão denominados em reais (88% do curto prazo e 12% do longo prazo).

Quanto ao saldo de caixa, 45% são denominados em reais e 55% em moeda estrangeira.

Ainda no dia de ontem, a companhia, também por meio de nota, comunicou que serão pagos, a partir do próximo dia 24 de agosto, JCP no montante de R$ 37,5 milhões, conforme deliberado na Reunião do seu Conselho de Administração.

O pagamento será realizado aos acionistas inscritos nos registros da companhia em 13 de agosto, e a cada ação corresponderá o valor de R$0,26.

No mais, a Tupy é uma empresa que atua na produção de componentes desenvolvidos sob encomenda para o setor automotivo, como blocos e cabeçotes de motor, além de peças para sistemas de freio, transmissão, direção, eixo e suspensão, além de também atuar na produção de ferro maleável, granalhas de aço, dentre outros perfis contínuos de ferro e produtos que atendem inúmeros setores da indústria.

A companhia é, também, referência mundial em fundição e que possui um bom histórico de gestão e rentabilidade em seus dados operacionais.

Avaliamos, também, que a companhia representa uma boa oportunidade para investidores que desejam obter ganhos com dividendos, já que é uma forte geradora de caixa, além de possibilitar aos investidores ganhos de capital no longo prazo, visto que a empresa deverá dar continuidade ao seu crescimento, aumentando seus volumes de exportação e se beneficiando da recuperação industrial também do mercado interno.

Adicionalmente, a companhia é também uma ótima opção para aqueles que desejam receber dividendos provenientes de moeda forte, já que boa parte das receitas da empresa se faz em dólar.

Ademais, gostamos dos resultados do 2T18 da companhia, do perfil de sua gestão, e do seu atual patamar saudável de dívida, e por conta disso, seguimos com nossa recomendação da Tupy em nossa carteira Suno Dividendos, enaltecendo sempre a importância do respeito ao preço teto de entrada sugerido a nossos assinantes no âmbito do investimento.

Comentaremos com maior profundidade os seus números nos relatórios Suno Dividendos das próximas semanas, que disponibilizamos semanalmente a nossos assinantes.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.