A Cia. Hering comunicou ontem (28) ao mercado que identificou oportunidades de evolução em sua estrutura organizacional, de modo a reforçar seu foco no consumidor, acelerar a busca por resultados e geração de valor a partir de um modelo de gestão ágil, integrado e digital.

Neste sentido, a empresa destacou que foi criada uma nova diretoria, a Diretoria de Transformação Digital. Para comandar esta área, a qual contempla as atividades de Omnichannel, E-commerce, CRM/SAC e Marketplace, além de todo o processo de evolução do varejo digital da empresa, foi contratado um executivo do mercado com experiência neste segmento. Seu nome será anunciado oportunamente, ressaltou a Hering.

As alterações no modelo também implicam em uma nova configuração nas diretorias atuais de Marcas e Varejo e, com estas alterações, Felipe Pivatelli e Edson Amaro deixam de integrar o quadro da companhia. “A Hering agradece ao Felipe e Edson por suas contribuições e deseja sucesso em seus novos desafios”, finalizou.

 

No que tange o comunicado acima, é interessante destacar que, no âmbito da nova configuração nas diretorias atuais de Marcas e Varejo, foi criada a Diretoria de Negócios Hering e a Diretoria de Negócios Infantil e DZARM., ambas responsáveis pela gestão das marcas e operações de varejo de lojas próprias e franquias. Com isso, espera-se que este novo modelo trará maior autonomia, agilidade e velocidade na tomada de decisão.

A Diretoria de Negócios Hering será liderada por Thiago Hering. Sob o seu comando estarão as equipes de marcas, lojas próprias, franquias, expansão, planejamento, abastecimento e mercado internacional. Formado em Direito, já atuou na empresa anteriormente na operação de lojas próprias. Nos últimos 10 anos se dedicou a operação de franquias da própria marca Hering e também como diretor de Operações da Guess do Brasil.

Já a Diretoria de Negócios Infantil e DZARM. será liderada por Romael Soso, que atua na companhia há dois anos, e com esta promoção, passa a ser responsável por esta nova diretoria. Graduado em Administração de Empresas pela FSG, possui MBA em Marketing pela FGV, além de especializações em Marketing e Varejo.

Para uma maior compreensão do processo iniciado pela gestão da Hering, recomendamos a leitura de duas matérias noticiadas no portal Brazil Journal, de Geraldo Samor, no dia de ontem (28), através das quais, como sempre, o portal traduz de forma bastante detalhada as nuances envolvidas no case.

No mais, é interessante mencionar que a Cia. Hering é uma das maiores redes de franquias de varejo do Brasil, com mais de 135 anos de história, e que possui um modelo de negócios que se caracteriza por incluir gestão de marcas, produção e gestão de varejo.

O portfólio da companhia é composto, ainda, por 04 marcas fortes e com posicionamentos distintos, sendo elas a Hering (voltada para adultos de todas as classes sociais); Hering Kids (voltada para crianças de todas as classes sociais); a PUC (moda fashion voltada para crianças de classes A e B); e a DZARM. (moda voltada para mulheres das classes sociais A e B).

É importante salientar, entretanto, que apesar dos resultados positivos da empresa ao longo do tempo, preferimos nos manter de fora do negócio por entendermos que a empresa atua num segmento que depende, dentre muitos fatores, da assertividade no lançamento de suas coleções – o que é uma tarefa um tanto quanto complexa e desafiadora – e da aceitação perante o mercado de seus produtos disponibilizados ao público.

Entendemos, ainda, que o varejo, como um todo, é um segmento bastante desafiador, e que o varejo de moda é considerado desafiador “ao quadrado”, por conta dos fatores que comentamos acima.

Por isso, apesar dos bons números, achamos mais prudente seguir de fora das Cia. Hering, principalmente agora, nesse momento de transição que demanda um certo tempo até que se constate, de fato, se a sinergia operacional apresentou resultados positivos ou não.

Compartilhe a sua opinião

Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.