A Forjas Taurus comunicou na última sexta-feira (19) que recebeu, na mesma data, um informe do acionista Antônio Marcos Moraes Barros informando que, após negociações realizadas, a soma de ações detidas em sua posição acionária passou a ser de 1.883.819 ações preferenciais, que equivalem à 10,33% do total de ações preferenciais da empresa.

No comunicado feito pelo acionista, o mesmo destacou que sua participação acionária não tem por objetivo de alterar a composição de controle ou a estrutura administrativa da companhia, e que também não possui e não executou com outro acionista da companhia qualquer contrato ou acordo regulando o exercício do direito ao voto ou à compra e venda de valores mobiliários emitidos pela Forjas Taurus.

“Permanecemos à disposição para quaisquer esclarecimentos que se fizerem necessários”, salientou a Forjas Taurus.

 

Esse comunicado deve ser muito levado em consideração na atual conjuntura em relação às ações da Forjas Taurus.

Nos últimos 2 meses, as ações preferenciais FJTA4 da companhia apresentam uma alta de mais de 340%, e um dos seus principais acionistas comunicando a venda de uma parte relevante da sua posição acionária deveria ser interpretado como um sinal de alerta para aqueles que participam desse fluxo especulativo sem fundamentos.

Em relação ao acionista em questão, o mesmo, até então, possuía 23,79% das 18.242.898 ações PN da companhia, ou seja, algo em torno de 4.339.985 papéis preferencias da empresa.

Com a operação comunicada, a soma de ações detidas em sua posição acionária passou a ser de 1.883.819 ações preferenciais, que equivalem à 10,33% do total de ações preferenciais da empresa.

Sugerimos humildemente a nossos assinantes e aqueles que acompanham nossos materiais gratuitos que não participem desse fluxo especulativo que se mostra totalmente infundamentado, dada a atual situação operacional da companhia.

Dívida absurdamente alta e crescente – e por consequência, um patrimônio líquido negativo – prejuízos também expressivos e recorrentes, além de processos judiciais por conta de disparos automáticos de muitas de suas armas em utilização, resultando em mortes, inclusive, nos fazem recomendar a não participação por tem indeterminado da Forjas Taurus, tanto em função de uma associação de longo prazo, quanto para uma especulação momentânea, dado que é simplesmente impossível se saber qual será o topo da euforia dos especuladores envolvidos na atual situação das ações da empresa.

Em algum momento o mercado corrigirá essa incoerência de fundamentos e, aqueles que se envolveram no case por empolgação visando o lucro de curto prazo, certamente terão uma surpresa desagradável quando isso acontecer.

Seguimos de fora da Forjas Taurus por tempo indeterminado.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.