Por: Tiago Reis

Radar do Mercado: AES Tietê (TIET11) registra lucro de R$ 119 milhões, um aumento de 235,7% em relação ao mesmo período de 2019

A AES Tietê investe há mais de 20 anos no Brasil e é uma das maiores geradoras de energia elétrica renovável do país, com classificação ESG nível “A” no MSCI, um dos principais ranking de avaliação de resiliência de uma empresa a riscos ESG.

Com uma capacidade instalada operacional e em construção que soma 3,7 GW de energia exclusivamente renovável, seu portfólio é composto de fontes hidráulica, eólica e solar, com plantas localizadas nos estados de São Paulo e Bahia, além de um pipeline em análise com capacidade para mais 4 GW.

A empresa comunicou, como destaque para o 2T20, um Ebitda de R$ 275,6 milhões ante R$ 226,2 milhões em 2T19 – um aumento de 21,8%.

A companhia ainda reportou um Lucro Líquido de R$ 119 milhões diante de 35,4 milhões no 2T19, portanto um aumento de 235,7%.

Em comunicado, a AES Tietê ainda informou ter distribuído 132,9 milhões em dividendos no 2T20, com um payout de 112%.

E terminou o trimestre com um índice de alavancagem de 2,36 vezes.

A Receita Operacional Líquida totalizou R$ 475,2 milhões no 2T20, 2% inferior ao resultado registrado no 2T19 (R$ 485,1 milhões).

​A Margem Operacional Líquida da AES Tietê Energia totalizou R$ 362,9 milhões no 2T20, o que representa um incremento de 15,6% – ou R$ 48,8 milhões – em relação ao 2T19 (R$ 314,0 milhões).

Esse resultado pode ser explicado pelo incremento de R$ 22,6 milhões na margem hídrica devido, principalmente, à alocação de energia do trimestre e à gestão ativa do portfólio da companhia no intrayear, o que resultou em menor volume e preço de compra de energia ante o mesmo período do ano anterior.

Também houve aumento de R$ 19,7 milhões na margem solar, reflexo de 100% da contribuição dos Complexos Guaimbê e Ouroeste, que entraram em operação comercial no 4T19.

​Além disso, houve incremento na margem eólica no valor de R$ 4,8 milhões, devido, principalmente, ao maior fator de disponibilidade do parque (98% no 2T20 ante 96,6% no 2T19) e à atuação da mesa de comercialização. Houve o swap de energia convencional para incentivada I5, o que contribuiu com R$ 5 milhões no período. A restrição de geração por parte da ONS (“Constrained-off”) resultou em maior compra de energia e ressarcimento na CCEE.

Para saber mais sobre os resultados de outras empresas, clique aqui e confira a agenda completa de resultados do segundo trimestre de 2020 (2T20).

Telegram Suno
Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

208 artigos
Ações

FIIs

58 artigos
FIIs
navigation

Conteúdo Gratuito

Radar do
Mercado

Os principais fatos relevantes do mercado, comentados no seu e-mail diariamente

Group 285

NÃO VÁ EMBORA AINDA..

O portal que vai te ajudar a começar
a investir.

Todos os conteúdos gratuitos 
da Suno em um só lugar!