Acesso Rápido

    Radar do mercado: AMBEV (ABEV3) divulga resultados do 3T19

    Radar do mercado: AMBEV (ABEV3) divulga resultados do 3T19

    Ambev publicou, na última sexta-feira (25), antes da abertura do mercado, seus resultados trimestrais.

    A companhia apresentou um crescimento de receita líquida de 5,9%, comparado ao mesmo período de 2018.

    O lucro bruto foi de R$ 6,697 bilhões, para R$ 6,727 bilhões, aumento de 0,4%. Já o lucro líquido teve queda de 12%, ficando em R$ 2,49 bilhões. Segundo a empresa, o lucro foi pressionado por maiores despesas com imposto de renda. É importante não ressaltar que houve um não recorrente positivo de R$ 170 milhões.

    Minicurso: Valuation e Precificação de Ativos

    Inscreva-se no nosso minicurso gratuito de Valuation e aprenda os principais conceitos sobre como avaliar ativos e empresas do jeito certo!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Os custos também aumentaram, o CPV da Ambev cresceu 21,8%. A hiperinflação na Argentina, alto preço das commodities e o Dólar bastante apreciado atrapalharam a operação da companhia. As despesas com vendas, gerais e administrativas cresceram 7,2%

    O ambiente competitivo no Brasil tem mudado, e se intensificado nos últimos anos. As concorrentes têm segurado os preços e sacrificado margens, mas roubado market share que outrora pertencia à Ambev. O volume de cervejas no país caiu 2,8%.

    Na América Latina Sul (LAS), a receita líquida orgânica aumentou 22% e a ROL/hl cresceu 15,3%. O EBITDA na região cresceu 7,9%. Destaque para o segmento premium no Chile, e Argentina, que apresentou crescimento de 2 dígitos. O bom desempenho da região não foi suficiente para compensar as perdas no mercado brasileiro.

    O volume consolidado tem se mantido razoavelmente estável, como podemos ver abaixo:

    O Caribe os resultados também foram positivos. O EBITDA apresentou crescimento de 20,1% graças à operação na República Dominicana. No Canadá, a receita líquida teve leve queda de 3,2% e o EBITDA diminiu 14,9%, com ganho de market share da marca Bud Light e a Michelob Ultra tem sido a marca de cerveja com maior ritmo de crescimento do país.

    A companhia permanece caixa líquido, ou seja, com mais caixa do que dívidas, com R$ 10,9 bilhões em caixa a mais que sua dívida bruta, ante a R$ 7,37 bilhões no final do ano de 2018.

    No pregão do mesmo dia, as ações sofreram desvalorização de 8,29%, fechando em R$ 17,60 por ação.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    6 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Juscelino Miguel 28 de outubro de 2019

      Se fosse 15% ai poderíamos ir as compras!!!

      Responder
    • Carlos André Barrozo do Amaral 28 de outubro de 2019

      Sugestão a Ambev para recuperar sua posição: a exemplo da Coca-Cola, poderia executar uma promoção com códigos promocionais em suas embalagens. De posse dos códigos, o consumidor os inseriria em site específico cujo processamento resultaria em sorteios efetivamente de qualidade. Entenda-se aqui qualidade, premiações de cunho relevante, sobretudo em significativo valores a ser decidido pelo consumidor nas modalidades em dinheiro ou até em ações da própria Ambev e não bugigangas e quinquilharias tais como smartphones, etc. Também sugiro não sortear automóveis justamente como já aprendido ser um tremendo passivo. Quem sabe até poderia sortear um curso completo e ultra-focado da Suno Research.

      Responder
      • Pedro 28 de outubro de 2019

        Não acho que seja uma boa vincular a imagem de bebida alcoólica com sorteio de carros especificamente mas sim com viagens.

        Responder
    • William Bandini 28 de outubro de 2019

      Certo. Vale a pena continuar com esta empresa na carteira? Imagino que ela, no mínimo, siga acima do DI. O que pensa?

      Responder
    • João 29 de outubro de 2019

      Você não comenta se compra ou não???

      Responder