Pullback
Por: Tiago Reis

Pullback: entenda o que é o movimento de reversão de um ativo

O mercado de renda variável, como o próprio nome sugere, possui um dinamismo que pode fazer o preço de um ativo cair ou subir a qualquer momento. Dentro dessa lógica, um dos movimentos que podem acontecer de uma hora para outra é o chamado pullback.

O movimento de pullback é fortemente relacionado a uma mudança na tendência de preços em que o ativo se encontra. Porém, ele pode ocorrer tanto para uma tendência de queda ou de alta.

O que é pullback?

Pullback, no mercado de capitais, corresponde à retração ou rompimento da tendência atual dos preços de um ativo. Logo, ele ocorre quando acontece um movimento brusco de alta ou queda de um ativo, que contraria a evolução do preço do ativo até então.

Assim, o conceito de pullback remete a um movimento de correção repentino que contraria a tendência do mercado. Por isso, um investidor pode, ao perceber um pullback, definir o momento apropriado para comprar ou vender ações.

Características de um pullback

Pullback

O pullback pode acontecer em qualquer direção. Ou seja, existem duas possibilidades desse movimento acontecer:

  1. Pullback de alta em uma tendência de queda: significa que o mercado está comprando um ativo que estava caindo;
  2. Pullback de baixa em uma tendência de alta: significa que o mercado está vendendo um ativo que estava subindo;

Seja como for, este fenômeno se dá dentro de uma tendência maior de mercado.

Algumas das principais características do pullback são:

Sendo assim, pode-se dizer que, pelo ponto de vista da análise gráfica, esse evento oferece uma nova oportunidade de comprar o rompimento de maneira atrasada e através do mesmo preço ideal.

Geralmente os rompimentos provocam este fenômeno de retração. Assim, caso tenha ocorrido um rompimento e o negociador não conseguiu entrar no trade, pode fazer uma nova entrada.

O que é um movimento de reversão?

A reversão, no mercado de capitais, ocorre quando o preço reverte uma tendência maior, a qual vinha seguindo. Ela se dá através de níveis específicos do gráfico.

Por isso, a diferença prática entre os dois é que:

  • Pullback: quando o preço fica muito “esticado”, ou seja, subiu ou desceu sem qualquer correção, é quase certo que ocorrerá um pullback e não uma correção.
    Por outro lado, caso o preço tenha descido ou subido de repente, sem qualquer correção, e esteja começando a se consolidar, o esperado é que seja rompida a consolidação e o preço siga o movimento anterior a esta;
  • Reversão: um indício de que é uma reversão, ocorre quando o preço se aproxima de um nível importante de suporte, resistência, últimas ondas de Elliott ou “ex-consolidação”.

Portanto, percebe-se um pullback no gráfico quando há uma reversão em um curto período que faz com que o ativo sofra retração, retornando depois à tendência principal.

O pullback é muito utilizado na análise técnica, e, por isso, investir com base nele contem um risco considerável. Porém, se você quer saber mais sobre ações, mercado financeiro e investimentos, basta baixar, gratuitamente, o nosso e-book “Aprenda como analisar uma ação”, para descobrir como analisar intrinsecamente como investir em uma ação pelos seus fundamentos.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

205 artigos
Ações

FIIs

52 artigos
FIIs

eBook Gratuito

Como analisar uma ação

Conheça o Passo A Passo para você analisar quais as melhores ações para investir!