Acesso Rápido

    Monopólio: entenda como a falta de concorrência prejudica o mercado

    Monopólio: entenda como a falta de concorrência prejudica o mercado

    O monopólio ocorre quando apenas uma empresa fornece produtos ou serviços para seus consumidores sem concorrência, fato que pode gerar vantagens competitivas.

    O monopólio é uma forma de mercado bastante única é que possui características que a distingue das demais formas de negócios.

    O que é monopólio?

    O monopólio é uma situação econômica onde apenas um ofertante detém toda a posição de mercado de um determinado tipo de produto ou de setor.

    Logicamente, isto é algo muito raro, pois existem instituições criadas com o intuito de inibir monopólios e promover a concorrência nos mercados.

    Guia de Economia para Investidores

    Confira os principais conceitos econômicos e aprenda como a economia pode influenciar seus investimentos com o nosso ebook gratuito de Economia para Investidores!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Porém, quando um monopólio, ou algo próximo a ele, estabelece-se, o investidor pode estar diante de uma boa oportunidade de investimento. Isso porque a empresa possui uma liberdade muito maior na hora de escolher o preço de seus produtos e serviços, sem a necessidade de constante inovação.

    No entanto, essa falta de competição pode afetar drasticamente a oferta de produtos e serviços de qualidade para os consumidores, pois a falta de concorrência estimula a ausência de inovação.

    Tipos de monopólio

    Existem diversos tipos de monopólios. Os principais são:

    • Monopólio Comercial;
    • Monopólio Governamental;
    • Monopólio Artificial;
    • Monopólio Temporário;
    • Monopólio Natural.

    1. Monopólio Comercial

    Tipo ocorrido quando uma empresa é a única a ofertar determinado produto ou serviço. Muito comum no setor de tecnologia, onde empresas como Facebook e Google são as únicas a ofertar suas soluções.

    2. Monopólio Governamental

    O monopólio governamental ocorre quando o governo monopoliza setores da economia para a atuação de apenas uma empresa, como no caso da Petrobrás.

    3. Monopólio Artificial

    Tipo de monopólio encontrado tanto em empresas públicas quanto privadas, por conta de uma série de benefícios dados à mesma por parte do governo.

    4. Monopólio Temporário

    Pode ocorrer tanto quando uma empresa cria um produto e detém a patente do mesmo, como quando o governo permite a concessão de determinada atividade através de um monopólio que ocorrerá por determinado período de tempo.

    5. Monopólio Natural

    Ocorrido quando há a ausência de possibilidade de competição, como no setor de energia elétrica.

    Uma vez firmado o contrato, apenas uma empresa desse setor pode ofertar energia para determinada região, formando assim um monopólio natural.

    Diferença de Monopólio e Oligopólio

    Como já foi observado, o monopólio é quando apenas uma empresa pode ofertar suas soluções para o mercado, sem a presença de concorrências.

    Já o processo de oligopólio ocorre quando poucas empresas concorrem no mercado, de forma que ele aquele setor se torna menos competitivo.

    É fundamental entender as diferenças entre monopólio e oligopólio na hora de avaliar uma empresa.

    A Ambev é uma empresa que atua quase como um monopólio no Brasil, detendo a maior parte do mercado.

    E-book: 10 livros que todo investidor deveria ler

    Conheça os 10 livros de investimentos e finanças mais importantes e amplie seus conhecimentos como investidor!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    No entanto, a Heineken vem crescendo em tamanho de mercado no setor de bebidas alcoólicas, fazendo com que as duas formem um oligopólio.

    Dessa forma, vale citar também que os grandes bancos brasileiros atuam como um oligopólio, onde poucas instituições financeiras dominam o mercado.

    Com a chegada das fintechs, os bancos brasileiros estão tendo que revisar sua atuação de forma a garantir sua atuação no mercado.

    Dessa forma, o monopólio e o oligopólio diferem porque o segundo permite concorrência, mas apenas entre grandes representantes de um setor.

    O monopólio para o produtor

    Como foi visto, o monopólio é a forma de mercado onde apenas um produtor fornece determinado produto ou serviço.

    Isto significa que ele possui grande influência sobre o preço daquele produto.

    É natural que uma empresa cobre um preço mais caro de seus consumidores caso possua monopólio de um produto extremamente demandado pelo mercado.

    No entanto, caso a empresa possua um concorrente que manufatura esse mesmo produto, já não é mais possível cobrar um preço muito alto, já que agora há a possibilidade de escolha por parte do cliente.

    De forma geral, os indivíduos não se importam de quem estão comprando ao comprar um produto igual.

    As pessoas buscam maximizar a sua utilidade, e para isso vão comprar determinado produto de quem oferecê-lo pelo menor preço.

    É possível perceber como uma posição de monopólio favorece o produtor, aumentando o seu lucro, além de elevar suas margens de lucratividade.

    O monopólio para o consumidor

    Quando um consumidor precisa adquirir um determinado bem importante, como um remédio, ele não deixará de consumi-lo caso só uma empresa possa fornecê-lo.

    No entanto, a empresa, exercendo sua posição de monopolista, poderia cobrar um preço extremamente alto pelo remédio.

    Dessa forma, o consumidor se submeterá ao preço cobrado pela farmacêutica.

    Portanto, é fácil perceber como o monopólio é prejudicial ao consumidor. Dessa forma, fica  claro que uma posição de monopólio não favorece ao consumidor, via de regra.

    Sendo assim, existe uma instituição no Brasil dedicada a combater esta forma de mercado.

    O Cade tem como missão zelar pela livre concorrência no mercado, sendo a entidade responsável, no âmbito do Poder Executivo, por investigar e decidir, em última instância, sobre a matéria concorrencial.

    Além disso, é também seu papel fomentar e disseminar a cultura da livre concorrência.

    O Monopólio para o investidor

    Foi observado as consequências do monopólio para o consumidor e para o produtor, agora é possível observar pela ótica do investidor.

    Uma empresa monopolista, muito provavelmente, será uma empresa com grandes vantagens competitivas, e existem vários exemplos de monopólio para o investidor ficar de olho.

    Uma companhia desse tipo é responsável por um produto ou serviço que é de difícil reprodução por parte da concorrência, seja por causa de marcas, por ordem governamental ou pela própria natureza do negócio.

    Portanto, tendo o poder de influenciar no preço de seus produtos ou serviços, a empresa tende a ter altos lucros.

    Além disso, é provável que as margens de lucratividade da empresa também sejam elevadas. Assim como os seus indicadores de rentabilidade.

    Sendo assim, ninguém menos que Warren Buffett defende que o investidor busque empresas com condições monopolísticas ou similares.

    Portanto, seja em um monopólio assegurado pelo governo ou um monopólio adquirido por competência da empresa, esta condição tende a favorecer o investidor destas companhias.

    E-book: 10 livros que todo investidor deveria ler

    Conheça os 10 livros de investimentos e finanças mais importantes e amplie seus conhecimentos como investidor!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Monopólios no Brasil

    Como foi ressaltado, a cenário monopolístico é bastante raro, no entanto, existem casos bastante conhecidos de monopólios no Brasil.

    Um grande exemplo disto é a B3, empresa listada em bolsa: a B3 é responsável por intermediar operações no mercado de capitais brasileiro, e atua praticamente sem concorrência.

    Como a B3 atua como monopólio no mercado de capitais no Brasil, cobra emolumentos, taxas e demais ônus de forma mais cara que a média mundial.

    Outro grande exemplo de monopólio no Brasil é a Petrobrás, empresa responsável pela extração e refino de petróleo no país.

    No entanto, a Petrobrás teve algumas de suas operações privatizadas, como muitas subsidiárias responsáveis pela distribuição do combustível.

    Outro setor onde há a presença frequente de monopólios é o setor de saneamento, uma vez que empresas desse setor têm a predominância de atuação em sua região.

    Atualmente, pode ser que essa situação mude com o novo marco do saneamento, legislação aprovada que visa dar maior competitividade ao setor.

    Dessa forma, fica claro que os exemplos de monopólio acabam por prejudicar os serviços ofertados para as pessoas, mas são boas oportunidades de investimento.

    O monopólio é bom ou ruim?

    É crucial para o investidor ter conhecimento das características desse tipo de mercado e entender como ele atua, especialmente quando se fala dos monopólios no Brasil.

    Ainda, procurar empresas com essas características podem levar o investidor a ter sucesso.

    Empresas que apresentem grandes vantagens competitivas terão a condição de influenciar o preço de seus produtos no mercado.

    Sendo assim, essas empresas terão maiores lucros e indicadores de rentabilidade.

    Portanto, o investidor deve buscar empresas com essas características.

    Inclusive, essa é uma estratégia defendida pelo maior investidor de todos os tempos, Warren Buffett.

    Desta forma, um investidor que também busque o melhor resultado, deve se atentar a esta forma de investir.

    Portanto, o monopólio cria grandes condições para um empresa entregar bom retorno ao seu acionista, apesar da qualidade de seus produtos e serviços tender a ser menor do que em setores com forte concorrência.

    Ficou com mais alguma dúvida a respeito de monopólio? Comente abaixo.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Sr. Das Estrelas 6 de junho de 2020

      Hmm… Tive uma ideia!

      Responder