mini contrato

O mercado de derivativos apresenta uma infinidade de produtos e possibilidades diferentes aos investidores. No Brasil, uma das mais modalidades mais populares é a operação com mini contrato.

A preferência dos investidores pelo mini contrato vem pelas diversas vantagens que ele oferece, como: flexibilidade, diversificação, alavancagem, alta liquidez e riscos baixos. Porém, por ser um derivativo, é preciso ter cautela e entender melhor como funciona esse tipo de investimento.

O que é um mini contrato?

O mini contrato, como o próprio nome sugere, são contratos futuros reduzidos que são negociados na bolsa de valores. Eles são considerados um produto derivativo, que permitem o a compra e venda futura de diversos ativos. Normalmente, o mini contrato equivale a 20% do preço de um contrato completo

Desenvolvidos em 2001 pela a BM&F Bovespa, por meio deles é possível investir em:

  • Moedas (mini contrato dólar, mini contrato euro).
  • Índices (mini contrato ibovespa, mini contrato S&P500).
  • Commodities agropecuárias (mini contrato soja, mini contrato boi).
  • Metais e minerais (mini contrato ouro, mini contrato petróleo);

Como funcionam os mini contratos?

mini contratoTodo mini contrato envolve uma operação de curto prazo. Logo, quando alguém opta em investir nesta modalidade, existem duas opções:

  • Vender o contrato até o prazo previsto;
  • Fazer a venda antes do vencimento.

Para investir em um mini contrato, não é necessário ter o valor cheio do acordo. É preciso apenas uma margem de garantia. Assim, a modalidade permite que até pequenos investidores possam negociar.

Essa margem é conhecida como caução, e pode ser tanto em uma quantia em dinheiro, como também, em títulos. Alguns investidores usam como caução títulos como Certificados de Depósitos Bancário, Ações e Títulos do Tesouro.

Qual a diferença entre mini contrato e contrato futuro?

Embora esses dois tipos de investimento tenham o mesmo propósito, existe uma grande diferença entre mini contrato e contrato futuro. Além do tamanho dos dois, o público alvo que cada uma atende também é bem diferente.

Os contratos completos são mais voltados para investimentos mais arriscados, isso é envolvem uma maior experiência. Muitas empresas e investidores experientes optam pelo contrato completo. Neste acordo é necessário que sejam negociados, pelo menos, cinco contratos. Já os mini contratos se mostram uma alternativa para quem quer operar com menos capital e menor risco.

Principais características dos mini contratos

Como é possível obter mini contratos com poucos recursos, o modelo se tornou mais vantajoso do que negociar contratos tradicionais. Com isso, para quem for mais tolerante ao risco, é possível também alavancar estes investimentos com muita facilidade. Outro ponto positivo do investimento é a diversificação, já que ele torna possível operar em diversos mercados com custos menores.

Mas mesmo com todas essas vantagens aparentes , é importante lembrar que o mini contrato é um derivativo — trazendo, dessa forma, um risco considerável para o investidor. Por isso, o importante é sempre pesquisar e operar com cautela antes de se aventurar em qualquer produto.

Mas para começar sua jornada no mundo dos investimentos da melhor forma, conte com a orientação da Suno: acesse o nosso e-book gratuito “Comece a investir” agora mesmo e dê o primeiro passo rumo a sua independência financeira.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.