Acesso Rápido

    MFII11: Fundo imobiliário focado no desenvolvimento de imóveis

    MFII11: Fundo imobiliário focado no desenvolvimento de imóveis

    Mérito Desenvolvimento Imobiliário, negociado com o código (ticker) MFII11, é um fundo de incorporações com gestão ativa e classificado como híbrido na B3, contando com a representatividade no IFIX de 0,78%.

    O MFII11 está em sua 4ª emissão de cotas e tem uma expressiva liquidez diária na bolsa, lembrando ainda que o seu portfólio é segmentado da seguinte forma:

    • Por tipo de ativo – urbanização e incorporação residencial
    • Por renda – baixa, baixa/média, média e média/alta
    • Fase de desenvolvimento – pré-lançamento, concluído e obras

    O fundo tem participação em 19 empreendimentos em várias cidades brasileiras com presença nos seguintes estados: São Paulo, Ceará, Sergipe, Paraíba, Pernambuco e Alagoas.

    O gestor busca selecionar ativos em diferentes estágios para que ocorra maior aderência nas necessidades de fluxo de caixa (desembolsos) a serem usados no desenvolvimento das propriedades.

    Dados MFII11

    • Administrador: Planner Corretora de Valores
    • Gestor: Mérito Investimentos
    • Segmento: Fundo de Desenvolvimento
    • Taxa de Administração: 0,15% ao ano
    • Taxa de Gestão: 1,85% ao ano
    • Taxa de Performance: 20% do exceder o CDI
    • Patrimônio Total atual: R$ 670 milhões
    • Início do Fundo: 2013
    • Quantidade de Emissões: 04
    • Número atual de Cotistas: 8.101
    • Número de Cotas: 2.002.613
    Marcos Baroni
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Thiago 22 de janeiro de 2020

      Pergunta sobre este fundo que pode ser extrapolada para outros fundos de desenvolvimento:

      Sei que Fundos de Desenvolvimento são um “animal diferente” dos outros fundos imobiliários, e busco conhecê-los melhor.

      Além de MFII, tenho também TGAR na carteira. Em ambos noto um crescimento constante na quantidade de cotas que é descolado das emissões.

      Claro que quanto mais cimento e tijolo se coloca em um empreendimento em desenvolvimento, maior é seu valor agregado. E não seria factível que se refizesse laudo de avaliação mês a mês. Acredito que por este motivo se aumente a quantidade de cotas mensalmente. Estou certo?

      Mas quem são os proprietários destas novas cotas que “surgem” todo mês? Há alguma instrução CVM que rege este tipo de crescimento no VP? Qual o nível de discricionalidade/vinculação a que os administradores destas fundos estão sujeitos?

      Responder