Acesso Rápido

    Entenda o que era a prática do mercantilismo e como ela funcionava

    Entenda o que era a prática do mercantilismo e como ela funcionava

    A política econômica mundial vem evoluindo ao longo dos tempos. Um dos sistemas econômicos que caracterizou a Revolução comercial e formou as bases do capitalismo moderno foi o mercantilismo.

    O mercantilismo foi um sistema de práticas econômicas que vigorou entre o século XVI -XVIII. Esse sistema tinha por objetivo central proteger a economia nacional através de medidas como protecionismo alfandegário, expedições marítimas, metalismo, entre outras.

    O que é Mercantilismo?

    O Mercantilismo foi um conjunto de medidas político-econômicas que predominou em alguns países europeus após o feudalismo, iniciando a Idade Moderna.

    Logo, os mercantilistas defendiam a tese de que a riqueza de uma nação era medida pela quantidade de metal que acumulassem. Consequentemente, o poder do Estado crescia proporção em que tivesse entesourado metais

    Assim sendo, através de um governo absolutista, várias medidas foram tomadas em prol da acumulação de ouro e prata. Tudo isso para tornar o país autossuficiente e fortalece-lo em tempos de guerra.

    Características do Mercantilismo

    O mercantilismo não era um sistema bem definido e por isso tinha características peculiares conforme as necessidades do país. Porém, as características que predominavam nesse conjunto de práticas econômicas eram:

    • Metalismo: Também chamado de bulionismo, acreditava que um país era rico na medida em que tivesse muito ouro e prata acumulados.
    • Protecionismo: Através de uma balança comercial positiva, ou seja, exportação superior à importação, era possível acumular mais metais. Isso era possível através de medidas como sobretaxar os produtos importados para beneficiar a produção nacional.
    • Intervenção do Estado na economia: Predominava o poder absolutista em que um Estado centralizador e autoritário possibilitaria a expansão econômica. Dessa forma o Estado financiava expedições marítimas, regulava impostos, concedia monopólios à burguesia, além de outras medidas.
    • Expansão marítima: Em busca de mais metais preciosos alguns países europeus resolveram expandir suas fronteiras para buscar novos mercados.
    • Estabelecimento de monopólios: A fim de obter o domínio da atividade econômica, monopólios eram estabelecidos entre a burguesia e o Estado. Além disso, foi muito utilizado nas relações comerciais entre a colônia e a metrópole.

    Histórico do mercantilismo no Brasil

    mercantilismo

    A expansão marítima conduzida por países como Espanha e Portugal levou a descoberta de novas terras, entre elas o Brasil.

    Em decorrência disso, Portugal estabeleceu com o Brasil um sistema de colonização chamado de pacto colonial. Nesse sistema a nossa colônia fornecia a metrópole metais preciosos e matéria-prima em troca de produtos manufaturados.

    Ou seja, o Brasil foi sujeito passivo nas relações comerciais mercantilistas, visto que havia imposição de Portugal quanto à exclusividade na comercialização de produtos. Logo, a colônia era vista unicamente como uma fonte de enriquecimento de metrópole.

    Críticas ao Mercantilismo

    Um dos maiores críticos a esse sistema foi Adam Smith, considerado por muitos como o criador do liberalismo econômico.

    Isso porque, segundo ele, a riqueza de uma nação não deve ser proveniente do acumulo de metais e sim através do trabalho. Além disso, baseado em conceitos liberais, Smith acreditava que o Estado não deveria intervir na economia.

    Isso porque a economia deveria ser regida por leis naturais de oferta e demanda. Essa teoria também foi defendida pelos fisiocratas, que, além disso, criticavam o mercantilismo ao afirmar que a riqueza de um país provem da agricultura.

    O mercantilismo como sistema econômico não existe mais faz alguns séculos. Contudo, sua influência econômica pode ser percebida ainda nos dias atuais. Para entender mais sobre as políticas econômicas , assine a lista de Whatsapp da Suno e receba,gratuitamente no seu celular, as notícias mais importantes sobre a atual economia .

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    1 comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *