Acesso Rápido

    Ibovespa: entenda o que é e como investir no índice Bovespa

    Ibovespa: entenda o que é e como investir no índice Bovespa

    Existem diversos termos no âmbito dos investimentos em bolsa de valores que são desconhecidos por investidores iniciantes, sendo que um deles é o Ibovespa. Mas além dos principiantes, existem também aqueles que já investem há mais tempo e que ainda não conhecem, de fato, a metodologia desse índice.

    Contudo, ressalta-se que o entendimento com relação ao funcionamento do Ibovespa é fundamental para todos aqueles que investem em ativos de renda variável. Afinal de contas, o IBOV é uma espécie de termômetro para esse tipo de investimento na bolsa brasileira.

    O que é o Ibovespa?

    O Ibovespa é um índice do mercado acionário brasileiro que demonstra o desempenho médio de uma carteira teórica de ações brasileiras em determinado período. Também conhecido como índice Bovespa – ou, simplesmente, como IBOV – ele é o principal termômetro da performance das maiores empresas de capital aberto na bolsa brasileira, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcão).

    E como foi colocado, o Ibovespa representa o desempenho de uma carteira teórica de ações das principais empresas da B3. Por isso, destaca-se que ele não considera as oscilações de preço dos papéis de todas as companhias de capital aberto da bolsa.

    Planilha de Controle de Investimentos

    Faça o controle completo das suas ações, FIIs e todos os seus investimentos com a nossa planilha gratuita de Controle de Investimentos!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Apesar disso, investidores e os demais agentes do mercado, em geral, consideram o IBOV como o melhor índice disponível para observar a performance das ações brasileiras ao longo do tempo. É por isso também que ele é considerado o principal benchmark (referência) da Bolsa de Valores do Brasil.

    Mas para compreender melhor sobre o índice Bovespa é preciso saber, em primeiro lugar, o que é um índice. Assim, o investidor poderá entender melhor como o Ibovespa funciona e qual a sua metodologia de cálculo.

    O que é um índice?

    O primeiro passo para entender a metodologia do Ibovespa é compreender o que é um índice como eles funcionam. Assim, ficará mais fácil entender os critérios do Ibovespa e o que o seu desempenho representa.

    Basicamente, um índice de mercado representa a evolução média e ponderada – positiva ou negativa – dos preços de uma cesta pré-determinada de ativos ao longo do tempo. Sendo que essa cesta será definida por uma metodologia de inclusão que varia dependendo do índice.

    Em outras palavras, um índice do mercado funciona como um índice inflacionário, como o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) ou o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado). Assim como esses referenciais inflacionários, um índice do mercado também observa o comportamento médio de preços de determinados ativos.

    A diferença, contudo, é que os índices inflacionários observam a evolução média e ponderada de uma cesta de produtos e serviços, enquanto os índices do mercado acionário, por outro lado, observam a performance média e ponderada de ações da bolsa de valores.

    E assim como existem diferenças entre a cesta de produtos do IPCA e do IGP-M, existem distinções entre os ativos selecionados para cada índice do mercado. Sendo que essa seleção dependerá sempre da metodologia desenhada.

    Nesse sentido, destaca-se que um índice pode ter qualquer metodologia de seleção de ativos. Por exemplo, incluir ações de empresas:

    • Que tenham mais de 100 anos de existência;
    • Com sede corporativa na cidade de São Paulo;
    • Que possuam pelo menos 10% dos funcionários veganos.

    Como pode ser observado, nenhum dos critérios acima são relevantes para a formação de um índice. É por isso que os métodos de seleção são mais sofisticados do que isso e levam em consideração pré-requisitos que façam com que a observação do índice pelo mercado seja relevante ao longo do tempo.

    Como funciona o Ibovespa?

    Ibovespa

    Depois de conhecer o que é um índice, o próximo passo é, claro, entender como funciona o Ibovespa. Como foi colocado, assim como qualquer outro índice, o IBOV demonstra a variação, ao longo do tempo, dos preços de um conjunto de ativos.

    Essa variação, no caso do índice Bovespa, é representada pelos pontos do Ibovespa. Então, quando a maior parte das ações do índices caem, os pontos do IBOV também se reduzem. Da mesma forma, quando o preço dos papéis sobem, então os pontos do Ibovespa aumentam.

    E para determinar o quanto esses pontos do Ibovespa irão subir ou descer, é preciso considerar o peso de cada ação na carteira teórica do índice. Isso porque oscilações no preço de papéis com maior peso no índice impactam mais do que as variações do valor de companhias com menor peso no IBOV. Funciona assim:

    • Peso da ação X no IBOV: 10%;
    • Variação do preço da ação X no dia: +5%;
    • Impacto da ação X no Ibovespa: 10% x 5% = +0,5%.

    Neste caso, a alta de 5% em uma ação que possui 10% de peso no índice contribui com uma variação positiva de 0,5% no Ibovespa. Da mesma maneira, se a ação caísse 5%, então o impacto seria negativo nos mesmos 0,5%.

    Por isso, é preciso ter em mente que a variação percentual dos pontos do Ibovespa ao longo do tempo é resultado da combinação ponderada das oscilações de preço de todas as ações de empresas do índice. Além disso, destaca-se que essa variação dos pontos do índice é calculada automaticamente e apresentada ao mercado em tempo real, durante o período de abertura do mercado.

    Abaixo, por exemplo, a oscilação do Ibovespa ao longo do dia 12 de agosto de 2020. Neste dia, o índice abriu as negociações em 102.175 pontos, chegou a atingir 103.116 e 100.697 pontos e, finalmente, fechou em 102.117 pontos:

    Ibovespa

    Metodologia do Ibovespa

    O próximo passo, depois de entender como funciona o principal índice da bolsa brasileira, é saber qual a metodologia do Ibovespa. Isto é, quais são os critérios definidos para que o índice inclua ou exclua determinada empresa da sua carteira teórica.

    Afinal de contas, como foi colocado, o Ibovespa não representa o desempenho de todas as ações da bolsa, mas das mais negociadas e maiores empresas de capital aberto na B3. Assim, das mais de 300 companhias disponíveis na bolsa, apenas cerca de 70 são incluídas no Ibovespa.

    Para selecionar essas companhias, o índice Bovespa possui critérios bem definidos de inclusão de ações em sua carteira teórica. Vale destacar que esses critérios são observados a cada quadrimestres, janela temporal em que a carteira é rebalanceada.

    Além dos critérios de inclusão, ressalta-se que o índice possui também especificações que determinam quando o papel de uma empresa do índice deixa de fazer parte da sua composição. Para entender melhor sobre esse metodologia do Ibovespa, abaixo os critérios de inclusão e de ponderação do índice:

    1. Critérios de inclusão do Ibovespa

    Os critérios de inclusão do Ibovespa são aqueles que determinam se a ação de determinada companhia está elegível – ou não – para fazer parte do índice. E já de início, são inelegíveis para fazer parte do índice Bovespa:

    Retirando essas ações, os critérios de inclusão do Ibovespa selecionam as ações que:

    • Tiveram presença em 95% dos pregões da bolsa no período das últimas 3 carteiras do índice;
    • Estiveram, no período das últimas 3 carteiras do índice, entre os ativos que representavam 85% do somatório total do Índice de Negociabilidade (IN);
    • Tenham volume financeiro de negociação maior ou igual a 0,1% no mercado à vista;

    2. Critérios de ponderação do Ibovespa

    Em segundo lugar, além dos critérios de inclusão, existem também os critérios de ponderação do Ibovespa. Ou seja, a regra que determina qual será o peso da ação de cada empresa que faz parte do índice.

    Nesse sentido, destaca-se que a atual metodologia do índice Bovespa considera, em primeiro lugar, o valor de mercado do free float das empresas elegíveis para compor a carteira. Além disso, destaca-se que nenhum dos ativos poderá ter mais de 20% de participação no índice.

    Essa metodologia de ponderação descrita acima passou a vigorar em 2014, ano em que a antiga metodologia do Ibovespa deixou de ser utilizada. Quando ainda era vigente, os seus critérios criavam distorções que prejudicam – e muito – a composição do IBOV.

    Antiga metodologia do Ibovespa

    Como foi colocado, a metodologia do Ibovespa não foi a mesma ao longo do tempo, tendo sido alterada em 2014. Anteriormente, os critérios de elegibilidade e inelegibilidade dos ativos eram diferentes, assim como também eram distintos os critérios de ponderação dos ativos.

    Na atual metodologia, o peso de um ativo dentro do índice depende, em primeiro lugar, do valor de mercado das suas ações em free-float (livre negociação). Contudo, na metodologia antiga do Ibovespa essa ponderação considerava, em igual medida, o número de ações negociadas e o valor das operações que as envolviam.

    Por conta disso, uma empresa pequena, mas com muita negociação em termos de número de papéis e de volume transacionado, poderia ganhar grande peso no índice. Além disso, não havia limitação do percentual dos papéis no índice.

    Essas questões faziam com que, por vezes, distorções muito grandes acontecessem na carteira teórica do Ibovespa. Este foi o caso, por exemplo, das ações da antiga OGX, que eram negociadas no ticker OGXP3.

    A empresa, comandada pelo empresário Eike Batista, se envolveu em diversos escândalos que fizeram com as ações da companhia derreteram na bolsa. Durante esse período, por conta da alta volatilidade, o volume negociado nas suas ações, em quantidade e em valor, ficaram muito altos.

    Então, apesar da grande queda dos papéis na bolsa e, consequentemente, do valor de mercado da empresa, o alto volume de negociação fazia com que as suas ações caíssem ganhando cada vez mais peso no Ibovespa, o que prejudicou muito sua pontuação na época.

    Além disso, a falta de limite percentual para os papéis das empresas no índice fazia com que, por vezes, o Ibovespa fosse muito dependente da cotação de poucas companhias. Abaixo, algumas empresas que já tiveram grande participação no índice:

    • Paranapanema (1985) – 23% do Ibovespa;
    • Telebrás (1995) – 34% do Ibovespa.

    Quais empresas fazem parte do Ibovespa?

    Ibovespa

    Como foi exposto, o índice Bovespa possui uma metodologia específica de inclusão de ativos em sua cesta de ativos. E, levando em conta os seus critérios, veremos quais empresas fazem parte do Ibovespa e que são responsáveis pela sua performance.

    Antes disso, vale ressaltar que, no passado, o Ibovespa era considerado um índice com muitas empresas de commodities. Com isso, o IBOV tinha um caráter muito cíclico, beneficiando-se de períodos de alta das commodities e sofrendo nos momentos de baixa.

    Contudo, hoje o índice se tornou mais diversificado, tendo uma participação relevante de outros setores, como o de tecnologia e o bancário. Para demonstrar isso, abaixo as principais ações do Ibovespa e o percentual médio de participação no índice (que se altera ao longo do tempo):

    Como pode ser observado, a seleção das ações que compõem o Ibovespa faz muito sentido. Afinal de contas, quanto maior o valor de mercado da empresa e o volume negociado de seus papéis, maior também a participação no índice.

    Contudo, é preciso ressaltar que não necessariamente uma empresa que está no IBOV é um bom investimento. Para determinar isso, é preciso realizar uma análise fundamentalista da ação que leva em consideração sua rentabilidade, sua perspectiva de crescimento e, mais importante, o seu valuation.

    Por fim, vale destacar que, ao observar algumas dessas empresas do Ibovespa, como a Ambev, o Itaú ou a Vale, muitos investidores não conseguem imaginar o índice sem a participação delas. Contudo, vale destacar que, no passado, grandes empresas com alta participação no índice acabaram saindo do IBOV.

    Planilha da Vida Financeira

    Coloque suas finanças em ordem! Baixe gratuitamente nossa planilha e aprenda a planejar todas as etapas da sua vida financeira da melhor forma!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Empresas que saíram do Ibovespa

    Primeiramente, é preciso lembrar que a saída dos papéis de companhias do Ibovespa é um fenômeno natural. Afinal, a carteira do índice se altera ao longo do tempo justamente pela entrada e saída de empresas da sua composição.

    Contudo, destaca-se que existiram grandes companhias que já tiveram grande representatividade no IBOV e que acabaram saindo do índice. Entre essas empresas que saíram do Ibovespa estão:

    • Oi;
    • OGX;
    • Telebrás;
    • Telemar;
    • Acesita;
    • Belgo Mineira;
    • Moinho Santista;
    • Paranapanema.

    Algumas das empresas acima não existem mais na bolsa, como a Acesita, que passou a fazer parte da atual Aperam. Outras sequer existem mais, como a Telebrás, que foi arrematada, em partes, em 1998.

    Por fim, existem ainda aquelas que fizeram parte do índice com grande participação e que, hoje, ainda são negociadas na bolsa, mas não fazem parte do Ibovespa. Este é o caso da Oi (OIBR3) e da OGX, que mudou de nome e que hoje se chama Dommo (DMMO3).

    E-book: Investindo em Fundos Imobiliários

    Baixe gratuitamente nosso ebook sobre os Fundos Imobiliários e conheça a forma mais simples e efetiva de se investir em imóveis!

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    Qual foi a rentabilidade histórica do Ibovespa?

    Outro ponto importante de ser levantado diz respeito a qual foi a rentabilidade histórica do Ibovespa. Afinal de contas, o retorno histórico obtido pelo índice poderá ajudar na verificação de se investir na bolsa brasileira ao longo do tempo foi – ou não – um bom negócio.

    Contudo, neste ponto é preciso pontuar que a melhor forma de avaliar a rentabilidade financeira do Ibovespa é observando o seu retorno em dólar. Isso porque, ao longo do tempo, a pontuação do índice Bovespa pode sofrer distorções por conta da inflação brasileira.

    Afinal de contas, caso a moeda corrente nacional, o Real, se desvalorize, então os preços das ações irão, naturalmente, subir, assim como acontece com os produtos em períodos inflacionários. Esse aumento, então, poderia passar uma falsa impressão de alta rentabilidade do Ibovespa, a qual foi, contudo, influenciada por um processo de inflação.

    Para evitar esse tipo de distorção, portanto, o mercado procura observar o retorno dos índices em dólar. Sendo que para isso divide-se a pontuação do índice pela cotação da moeda norte-americana. Assim, eventuais distorções com relação à rentabilidade são eliminadas.

    Além disso, destaca-se também que grande parte do volume de investimento na bolsa de valores brasileira pertence a investidores estrangeiros. Para eles, a rentabilidade dos investimentos no Brasil não pode ser medida em reais, mas sim em dólares, que é a fonte primária dos recursos utilizados para realizar a alocação de capital em ativos brasileiros.

    Rentabilidade do Ibovespa em dólar

    Como foi exposto, é melhor forma de avaliar o retorno do índice é observando a rentabilidade do Ibovespa em dólar. Afinal de contas, esse ajuste, dolarizando o índice, ajuda a excluir eventuais distorções inflacionárias que afetam a pontuação do índice.

    Abaixo, é possível, portanto, observar o gráfico da rentabilidade histórica do Ibovespa ajustado para o dólar de 1963 até 2020:

    Ibovespa

    Outros índices do mercado brasileiro

    Depois de conhecer mais sobre o IBOV, muitos investidores devem ter a curiosidade de conhecer outros índices do mercado brasileiro. Por isso, a seguir alguns dos principais índices que existem e um resumo da metodologia de cada um deles.

    IBR-X 100 (Índice Brasil)

    Um dos principais índices do mercado acionário brasileiro é o IBR-X 100, também chamado de Índice Brasil. Como o seu próprio nome sugere, esse índice demonstra a performance de uma carteira teórica com 100 ações de companhias brasileiras negociadas na B3.

    Além disso, vale destacar que a seleção dos ativos desse índice leva em consideração os papéis mais negociados da bolsa em termos de volume financeiro e de negócios realizados. Esta é, inclusive, a mesma metodologia do índice IBR-X 50, que filtra não as 100, mas as 50 ações mais negociadas nesse mesmo critério.

    Algumas das empresas do IBR-X 100 são:

    IDIV (Índice de Dividendos)

    Mais um índice da bolsa brasileira é o IDIV, conhecido por ser o índice de dividendos. Basicamente, esse índice procura demonstrar, ao longo do tempo, a performance de uma carteira teórica que possua as empresas brasileiras que mais pagam dividendos.

    Para selecionar essas companhias no índice, o IDIV possui uma metodologia de inclusão de ativos que inclui aquelas ações que estão dentre as 33% que mais pagaram dividendos nos últimos 36 meses em termos de Dividend Yield.

    Algumas das empresas do IDIV são:

    SMLL (Índice Small Caps)

    Outro famoso índice da bolsa brasileira é o índice das Small Caps, o SMLL. Muito acompanhado por investidores, o SMLL representa a performance da empresas com baixo valor de mercado da bolsa brasileira, que são aquelas que, na média, possuem mais riscos e maior potencial de retorno.

    Para representar essas companhias, o Índice de Small Caps possui uma metodologia que engloba apenas as empresas que não estejam entre as 85% maiores da bolsa em termos de valor de mercado. E apesar de considerar ação de companhias pequenas, esse índice não acompanha papéis que sejam considerados penny stocks (que tenham preço abaixo de 1 real).

    Algumas das empresas do SMLL são:

    IMOB (Índice Imobiliário)

    Como a própria sigla sugere, o IMOB é o índice da bolsa que representa o desempenho das ações das principais empresas da bolsa que atuam no setor imobiliário. Entre essas empresas, estão, obviamente, construtoras, mas também empresas de shoppings e administradoras de imóveis.

    Algumas das empresas do IMOB são:

    E-book: Investir em Fundos de Investimento

    Baixe gratuitamente nosso ebook aprenda como escolher e investir nos melhores Fundos de Investimento do mercado.

    Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

    Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

    IFNC (Índice Financeiro)

    Por último, mas não menos importante, está outro índice bastante acompanhado no mercado acionário do Brasil, que é o IFNC. Basicamente, ele demonstra o desempenho das principais companhias de capital aberto que atuam no setor de financeiro. Em outras palavras, representa o resultado das ações de bancos, seguradoras e empresas de adquirência da bolsa.

    Algumas das empresas do IFNC são:

    Como investir no Ibovespa?

    Ibovespa

    Mesmo depois de conhecer os outros índices do mercado brasileiro, alguns investidores podem se interessar em saber como investir no Ibovespa. Contudo, é preciso ressaltar que não é possível investir em índices. Isso porque eles simplesmente são carteiras teóricas computadas pelo mercado.

    Em outras palavras, um índice não é um ativo em que os investidores podem investir diretamente. Pode parecer frustrante, mas há uma alternativa que resolve esse problema, que é a aplicação em ETFs (Exchange Traded Funds).

    Basicamente, esses ETFs são fundos fechados negociados na bolsa de valores em cotas e que investem nos ativos de diferentes índices. Ou seja, existem diversos ETFs que possuem o objetivo de investir especificamente em determinados índices. Por exemplo:

    • DIVO11 – ETF das ações do índice de dividendos, o IDIV;
    • FIND11 – ETF das ações do índice financeiro, o IFN;
    • SMAL11 – ETF das ações do índice de Small Caps, o SMLL.

    Como pode ser observado, cada um dos ETFs acima segue a metodologia de seleção dos índices que são atrelados. Isso significa que se determinada ação sai de um índice, então o ETF que o replica irá, logicamente, vender o papel da empresa.

    Da mesma forma, caso determinada nova ação seja incluída na carteira teórica de um índice, então o fundo ETF deverá comprar os papéis dessa empresa. Com isso, o resultado do ETF fica muito próximo da performance do seu índice de espelho.

    Um ponto que tende a prejudicar um pouco o resultado dos ETFs é a taxa de administração que eles possuem, as quais normalmente ficam abaixo de 0,5% ao ano. Por outro lado, a rentabilidade desses fundos é beneficiada pela possibilidade de eles realizam o aluguel de suas ações. No final das contas, o rendimento do ETF fica, de fato, quase idêntico ao do índice referência.

    ETFs do Ibovespa

    Por fim, a alternativa para investir no IBOV é aplicar o recurso em ETFs do Ibovespa. Assim, o investidor estará investindo em um fundo fechado, negociado em bolsa, que possui rentabilidade atrelada ao desempenho do índice Bovespa.

    Para investir no Ibovespa de maneira indireta por meio desses ETFs o investidor deve possuir, em primeiro lugar, uma conta em uma corretora. Assim, terá acesso à bolsa de valores, onde poderá comprar as cotas de algum ETF do IBOV.

    Abaixo, portanto, alguns dos ETFs que replicam a carteira teórica do Ibovespa, investindo nas empresas desse índice:

    1. BOVA11

    Ibovespa

    O primeiro, e talvez mais conhecido, ETF do Ibovespa é o iShares Ibovespa Fundo de Índice (BOVA11). Listado desde 2008 e tendo como gestora a BlackRock Brasil, o BOVA11 possui uma taxa de administração de 0,3% ao ano.

    2. BOVB11

    Ibovespa

    Outro ETF do Ibovespa é o ETF Bradesco Ibovespa Fundo de Índice (BOVB11), o qual é, inclusive, o ETF mais recente do índice Bovespa, uma vez que foi criado em 2019.Ainda, o BOVB11 possui como gestora o Bradesco, que listou o fundo com uma taxa de administração menor do que seus pares, de 0,2% ao ano.

    3. BOVV11

    Ibovespa

    O terceiro ETF do índice Bovespa é o conhecido It Now Ibovespa Fundo de Índice (BOVV11). Listado em 2016 e tendo como gestor o Itaú Unibanco, o BOVV11 possui uma taxa de administração anual de 0,3%.

    4. XBOV11

    Ibovespa

    Por fim, outro ETF para aqueles que desejam investir nos ativos do IBOV é o CAIXA ETF Ibovespa Fundo de Índice (XBOV11). Esse fundo é administrado, como o próprio nome diz, pela Caixa Econômica Federal, a qual cobra uma taxa de administração maior do que seus pares, a qual é de 0,5% ao ano para realizar a gestão do XBOV11.

    Curiosidades sobre o Ibovespa

    Por fim, destoando um pouco das questões técnicas, vale comentar também sobre algumas curiosidades sobre o Ibovespa. Afinal, existem alguns marcos e informações importantes sobre esse índice que não poderiam ficar de fora.

    Por isso, algumas curiosidades sobre o Ibovespa são:

    1. É antigo

    O primeiro fato curioso com relação ao Ibovespa está relacionado a sua idade. Antigo, sua primeira metodologia foi elaborada em 1962 pelo economista, professor e banqueiro Mário Henrique Simonsen.

    Posteriormente, o índice sofreu diversas alterações em 1966, aos mandos de Luís Sérgio Coelho. Dois anos depois, em 1968, o então IBV (Índice de Bolsa de Valores do Rio de Janeiro) foi oficialmente adotado pela Bolsa de Valores de São Paulo, oficializando o índice Bovespa, que se iniciou com apenas 18 ações em sua carteira teórica.

    2. Não é um investimento

    Apesar de ser um dos maiores ícones do investimento em bolsa de valores no Brasil, como foi destacado, o Ibovespa não é um investimento. Na verdade, ele é apenas um índice que representa o desempenho, ao longo do tempo, de uma carteira teórica de ativos.

    E por ser uma carteira teórica, não é possível que o investidor aplique diretamente seus recursos no Ibovespa. Para chegar próximo disso, o investidor, como foi colocado, tem a possibilidade de investir em ETFs (Exchange Traded Funds) que invistam nos mesmos ativos do índice.

    3. Pode ter mais de uma ação da mesma empresa

    Outra curiosidade com relação ao Ibovespa é o fato de que ele pode ter mais de uma ação da mesma empresa na sua composição. Com isso, é comum observar o IBOV tendo, por exemplo, 80 ações de 75 diferentes empresas.

    Neste caso, a diferença significa que existem 5 empresas no índice que possuem dois diferentes tipos de ações na composição do índice. Este é o caso da Petrobras, que costuma ter as ações preferenciais (PETR4) em conjunto com as suas ações ordinárias (PETR3) no índice. Vale destacar, contudo, que a soma percentual das ações não pode exceder o limite máximo de 20% de peso no Ibovespa.

    4. Não representa todas as ações da bolsa de valores brasileira

    Mais uma questão que muitos investidores não sabem com relação ao IBOV é que ele não representa todas as ações da bolsa de valores brasileira. Em outras palavras, isso significa que existem companhias de capital aberto na B3 que não compõem a carteira teórica do Ibovespa.

    Com isso oscilações positivas ou negativas dos papéis dessas companhias não afetam em nada os pontos do Ibovespa. Não é à toa que a B3 possui cerca de 300 empresas de capital aberto, enquanto o índice Bovespa engloba ações de cerca de 70 companhias.

    5. Possui caráter cíclico

    Um ponto importante de ser levantado com relação ao Ibovespa é o caráter cíclico que ele possui. Isso acontece pelo fato desse índice conter muitas empresas dependentes de commodities em sua composição, como a Vale, Petrobras, Suzano, Gerdau, entre outras.

    Com isso, o IBOV se beneficia de períodos de alta das commodities, mas é prejudicado em tempos de baixa. E como o preço desses ativos é muito cíclico, o desempenho do Ibovespa acaba sendo influenciado e recebendo, também, essa característica de ciclicidade.

    Para evidenciar isso melhor, vale observar a correlação – ou quase dependência – apresentada no gráfico abaixo entre o desempenho do Ibovespa em dólares (em branco) e do ETF das commodities (em roxo)  entre os anos de 2011 e 2016:

    Ibovespa

    6. Apresentou maior rentabilidade que a bolsa norte-americana

    Por fim, o último fato curioso com relação ao Ibovespa é a constatação de que, no longo prazo, ele entregou uma rentabilidade maior do que o principal índice do mercado norte-americano, o S&P 500 (Standard & Poor’s 500).

    Isso pode parecer estranho, afinal de contas, as bolsas dos Estados Unidos reúnem algumas das maiores e mais bem-sucedidas companhias de capital aberto no mundo. Contudo, fato é que o índice Bovespa, no longo prazo, entregou um retorno superior ao S&P.

    E além do retorno maior, é preciso ressaltar que a volatilidade (oscilação) do índice brasileiro ao longo do tempo foi muito superior. Em outras palavras, a rentabilidade foi maior, mas o caminho para isso foi instável, com mais risco e mais volatilidade.

    E então, conseguiu entender melhor o que é e como funciona o Ibovespa? Deixe abaixo suas dúvidas e comentários sobre esse índice do mercado acionário brasileiro.

    Perguntas frequentes sobre o Ibovespa
    O Ibovespa é o principal índice do mercado acionário brasileiro. Basicamente, o também conhecido como índice Bovespa demonstra o desempenho ao longo do tempo das maiores e mais negociadas companhias de capital aberto da bolsa brasileira, a B3.
    As ações que compõem o Ibovespa se alternam ao longo do tempo, conforme a carteira teórica do índice é renovada. De qualquer forma, algumas das principais empresas do índice são: Vale, Petrobras, Itaú e Banco do Brasil.
    A diferença entre o Ibovespa e o Ibovespa futuro é que o primeiro é um índice do mercado acionário brasileiro, representado por uma carteira teórica. Por outro lado, os futuros do Ibovespa são ativos que, de fato, podem ser negociados na bolsa e que representam expectativas dos investidores com relação à pontuação do índice.
    O Ibovespa mede o desempenho médio e ponderado do preço das ações das maiores e mais negociadas empresas de capital aberto brasileiras negociada na B3. Por isso, esse índice é um bom termômetro para o comportamento do preço das ações brasileiras.
    A quantidade de papéis que o Ibovespa tem se alterna ao longo do tempo, conforme a carteira teórica do índice é renovada. Contudo, na maior parte das vezes esse número fica entre 65 e 75 ações de empresas brasileiras da capital aberto na B3.

    Bibliografia para Ibovespa

    https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/321501/mod_wiki/attachments/254/Analise%20Estatistica%20do%20Indice%20Ibovespa.pdf

    http://www.aems.edu.br/conexao/edicaoanterior/Sumario/2012/downloads/2012/humanas/CRIA%C3%87%C3%83O%20DO%20%C3%8DNDICE%20BOVESPA.pdf

    http://www.anpec.org.br/revista/vol13/vol13n1p15_34.pdf

    https://www.unifal-mg.edu.br/economia/sites/default/files/economia/4_monografias/2014_2_Monografia%20Bruna%20Reze%20Lara%20Gischewski%20Monteiro.pdf

    https://downloads.fipe.org.br/publicacoes/bif/bif425-44-51a.pdf

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    2 comentários

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *

    • Luis A. Gheventer 17 de outubro de 2019

      Obrigado Tiago!
      Esclarecedor!

      Responder
    • Ana 14 de agosto de 2020

      Muito bom

      Responder