hot money

Ninguém está seguro de imprevistos. Dependendo da situação, algumas empresas podem precisar urgentemente de dinheiro em caixa para financiar suas atividades e despesas correntes. Logo, para necessidades como essas, alguns bancos e instituições financeiras oferecem uma modalidade de crédito chamada hot money.

Uma empresa, por exemplo, pode precisar fazer um pagamento de valor elevado em breve – mas se ela só tiver os fundos para realizar a transação na próxima mês, isso não será possível. Este tipo de problema é frequente no dia-a-dia financeiro das empresas – e para resolvê-lo, a opção pode ser recorrer ao hot money.

O que é o hot money?

O hot money é um tipo de crédito bancário de curtíssimo prazo, concedido principalmente para empresas. O próprio termo hot money (dinheiro quente, em português) já sugere a agilidade desse tipo de operação – já que ele é utilizado exatamente pela facilidade e rapidez com que o dinheiro é liberado.

Os recursos obtidos através do hot money são empregados como o cliente precisar, já que nesses casos, o credor não pede nenhum tipo de justificativa ou análise de crédito para a utilização desse dinheiro.

Quando o hot money é utilizado?

Normalmente, quem contrata o hot money está precisando de dinheiro urgentemente, para cobrir necessidades imediatas. Esse tipo de requisitado principalmente para pagar contas urgentes, fortalecer o fluxo de caixa no curto prazo ou fornecer capital de giro para a empresa continuar funcionando.

Na maioria das vezes, o hot money atende empresas de pequeno e médio porte, que possuem uma menor capacidade financeira e dependem mais do dinheiro no caixa para operar.

Características do hot money

Taxa de juros do hot money: as taxas de juros cobradas pelo hot money são bem mais altas do que outras modalidades de empréstimos – como o crédito consignado, empréstimo pessoal, CDC, entre outros. Ela é baseada, principalmente, na taxa de CDI (Certificado de Depósito Interbancário) vigente no dia da operação. Além disso, a taxa é acrescida com o risco de crédito da operação e o faturamento (spread) da transação.

Prazo de pagamento do hot money: o prazo para saldar o hot Money também é curto, indo geralmente de 1 a 29 dias, geralmente. Por isso, antes de recorrer ao empréstimo, o tomador precisa avaliar se terá caixa para saldar o valor no seu vencimento.

Garantia do hot money: Por ser uma operação de curto prazo, a instituição credora pode exigir a apresentação de alguma garantia para liberar o crédito. Entre as garantias normalmente solicitadas, estão notas promissórias, hipotecas, Cédulas de Crédito Bancário, direitos creditórios (contas a receber), penhor de bens, entre outros.

Vale a pena recorrer ao hot money?

O hot money é uma ferramenta emergencial para solucionar problemas financeiros de curtíssimo prazo. Por isso, sua principal vantagem é facilitar que as empresas consigam, de maneira pontual, captar recursos rapidamente para o seu caixa.

Porém, toda essa agilidade tem um custo. Por ser um crédito mais fácil, as taxas de juros do hot money são maiores do que a média. Além disso, assim como a liberação do dinheiro, os prazos o para pagamento também são mais curtos.

Por isso, não é interessante utilizar o hot money com frequência. Se isso acontecer, pode ser um sinal que a empresa esteja com sérios problemas financeiros, que podem acarretar consequências negativas no futuro. Logo, se a necessidade de capital da empresa tiver um caráter mais duradouro, talvez a melhor solução seja buscar linhas de crédito com prazos maiores e taxas de juro mais baixas.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.