fiador

No momento que se aluga um imóvel ou realiza um empréstimo (a depender do tipo de empréstimo e instituição financeira que está liberando o crédito) é preciso que a pessoa apresente um fiador.

O fiador será o indivíduo que será responsável por arcar com todas as despesas não pagas por um inquilino ou mutuário, caso o mesmo fique inadimplente.

A figura dessa pessoa torna-se fundamental para dar uma maior segurança no momento em que se fecha um contrato.

Desse modo, para se tornar um fiador de um locatário, por exemplo, é necessário que essa pessoa possua um imóvel quitado em seu nome na mesma cidade em que o locatário pretende alugar o imóvel.

Adicionalmente, existem outros critérios, como ter mais de 18 anos e comprovar renda suficiente para arcar com todas as possíveis responsabilidades.

Responsabilidades de um fiador

fiador

Responsabilidades de um fiador

O fiador, de maneira simplificada, é alguém que passa a ser o responsável legal por garantir eventuais dívidas de terceiros.

Dessa forma, a fiança é uma garantia pessoal (fidejussória) e por conta disso, a pessoa que garante o adimplemento é a universalidade de bens penhoráveis do fiador.

Portanto, para que isso não aconteça, é necessário que haja confiança entre as partes, pois uma eventual necessidade de cobertura poderá levar a surpresas desagradáveis àquela pessoa que decidiu prestar esse auxílio.

Importante mencionar não devemos confundir a fiança com o aval. Já que o aval é uma garantia que se restringe aos títulos de crédito, enquanto a fiança abrange a garantia de contratos.

Desse modo, há casos em que quando a fiança é cobrada, geralmente em situações extremas e depois de muitas negociações, esse indivíduo poderá ter o seu imóvel penhorado.

Caso você nunca tenha aceitado fazer parte dessa modalidade de garantia, é muito importante que se leia bem o contrato, e caso seja necessário, consulte um advogado para que possam ser esclarecidos todos os detalhes.

Cuidado ao decidir ser um fiador!

fiador

Cuidado ao decidir ser um fiador!

A cautela ao aceitar ser um fiador é extremamente importante, principalmente ao conhecer a pessoa da qual se está prestando essa ajuda.

Isso porque se a pessoa agir de má fé, ou passar a não ter condições financeiras de arcar com as responsabilidades, todo o prejuízo financeiro ficará a cargo de você quitá-lo.

Além disso, é preciso ficar atento ao tipo de contrato, que podem ser de dois tipos:

  1. Solidário: é aquela pessoa que se torna responsável pela dívida assim que ela acontece.
  2. Subsidiário: é aquele que garante o que geralmente é chamado de benefício de ordem. Isso porque ele será responsável pela dívida após a utilização dos bens do inquilino para quitação.

Portanto, essa modalidade de garantia tem sido há anos muito utilizada pelos bancos e imobiliárias, muito embora ela possa vir a apresentar um prejuízo enorme para quem aceita essa condição.

Por esse motivo, toda cautela é pouca, pois muitas vezes o fiador se tornará o responsável por arcar com a dívida de modo que até o seu imóvel próprio esteja sobre a condição de se tornar uma garantia.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.