Acesso Rápido

    Crédito rural: uma ajuda para o agronegócio

    Crédito rural: uma ajuda para o agronegócio

    Por mais que o Brasil seja conhecido pelo seu agronegócio, nem sempre é fácil arcar com estes custos de produção, o que leva muitas pessoas a recorrerem ao crédito rural.

    Mas o crédito rural tem características e requisitos próprios e, muitas vezes, até incentivo governamental.

    Crédito rural é um tipo de empréstimo criado para financiar atividades agrícolas, tanto de grandes produtores quanto dos agricultores familiares. A ideia é incentivar o aumento da produção agrícola no país.

    Tipos de crédito rural

    O crédito rural pode ser dividido em três tipos:

    • De custeio;
    • De investimentos; e
    • De comercialização.

    O crédito rural de custeio, como o próprio nome sugere, visa cobrir os gastos com a produção, como a compra de sementes, de alimentação ou aquisição de animais ou ainda produtos agropecuários para a manutenção da lavoura.

    O crédito rural de investimentos é a opção ideal para quem deseja ampliar suas atividades. Então, este empréstimo pode financiar compra de novos hectares, maquinário e reformas de estabelecimentos ligados ao negócio (como celeiros).

    Já o crédito rural de comercialização é o mais utilizado por cooperativas rurais. Ele visa possibilitar o processo de venda, incluindo desde a colheita até o transporte do produto comercializado.

    Cabe ao produtor rural escolher qual opção mais se adequa às suas necessidades.

    Como obter crédito rural

    crédito rural

    O crédito rural pode ser obtido por pessoas físicas ou jurídicas, incluindo associações e cooperativas, que trabalhem com atividades rurais.

    Porém, é preciso deixar um alerta: esta não é uma das modalidades de empréstimo ou financiamento mais fáceis de obter.

    Ele deve ser pleiteado junto a instituições financeiras que se adequem às exigências do Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR).

    Estas instituições podem ser bancos ou mesmo cooperativas de crédito. No entanto, o mais procurado costuma ser a Caixa Econômica Federal.

    O primeiro passo para obter crédito rural é elaborar um projeto, com valores e aplicações bem pensadas e explicadas.

    Afinal, a liberação do crédito dependerá da aprovação do projeto apresentado.

    Além disso, é preciso apresentar garantias de que, se a expectativa para o projeto não corresponder à realidade, a instituição financeira não terá de arcar com o prejuízo.

    Essa garantia pode ser a feita por meio de fianças, seguros, alienação fiduciária de bens móveis ou imóveis, a penhora de bens de valor, ou mesmo hipotecas.

    As taxas e juros cobrados sobre este tipo de empréstimo irão variar de acordo com o banco escolhido.

    No entanto, desde julho de 2018, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou que a taxa de juros do crédito rural seja de até 7%.

    A regra vale para operações de investimento com recursos da poupança rural.

    Vale lembrar que o crédito rural conta com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), Norte (FNO) e Nordeste (FNE).

    Objetivos do crédito rural

    crédito rural

    Um dos intuitos do crédito rural é a redução do êxodo rural que faz parte da realidade brasileira há anos. Um fenômeno fácil de explicar.

    Com a substituição de mão de obra humana por máquinas mais eficientes e rápidas, muitos postos de trabalho foram fechados nas últimas décadas.

    Se faltarem oportunidades de emprego e crescimento para os jovens no interior dos estados, a tendência é que eles se mudem para os centros urbanos. Muitas vezes, isso ocorre de forma desorganizada e sem estrutura, originando grandes favelas.

    Com isso, o ambiente rural perde uma mão de obra que ainda é preciosa e que, se melhor qualificada, seriam um ativo importante para o desenvolvimento tanto da agricultura quanto da pecuária.

    No entanto, quando focamos em agricultura familiar, a situação se torna um pouco mais delicada.

    Isso porque quem vive da terra dificilmente tem bens a oferecer como garantia, tampouco crédito suficiente para um seguro.

    Assim, por mais que o crédito rural seja muito importante para a agropecuária brasileira, pode não ser tão fácil de obtê-lo.

    Tags
    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *