capacidade produtiva

A capacidade produtiva de uma empresa é um indicador fundamental para analisar o fluxo operacional de qualquer empresa. Mas por ser um indicador que se relaciona diretamente com o faturamento e a lucratividade do negócio, muitos pensam que quanto maior a capacidade produtiva, melhor.

Porém, esse conceito pode ser enganoso – já que normalmente a capacidade produtiva ideal será aquela que conseguir adequar melhor o nível de produção com a demanda do mercado, gerando o menor custo possível.

O que é capacidade produtiva?

Capacidade produtiva é a quantidade máxima de produtos e serviços que uma empresa é capaz de produzir em determinado período. Ou seja, é um indicador que representa a razão entre a velocidade operacional da empresa e o saldo resultante da sua atividade em produtos e serviços.

Um restaurante, por exemplo, mede sua capacidade produtiva pelo número de refeições que serve por dia. Já uma indústria mede pela quantidade de itens produzidos e um comércio, pelo número de vendas.

Como analisar a capacidade produtiva de uma empresa?

Existem diferentes formas de classificar e analisar a capacidade produtiva de uma empresa. As principais são:

Capacidade produtiva instalada

Corresponde a capacidade produtiva total que a empresa tem, de acordo com sua infraestrutura. A capacidade instalada considera o potencial produtivo máximo da empresa, onde todos os fatores de produção (máquinas, insumos, matéria-prima, funcionários) estariam funcionando de forma plena – sem a ocorrência de interrupções, perdas, faltas, ou demais imprevistos.

É um indicador hipotético, que serve de referencial para a tomada de decisões estratégicas.

Capacidade produtiva disponível

Informa qual é a capacidade produtiva disponível para a empresa em um exato momento. Ou seja, o cálculo leva em conta apenas os ativos e insumos que podem entrar em funcionamento efetivamente naquele instante.

A capacidade disponível também não considerada as perdas, faltas ou paradas por qualquer motivo.

Capacidade produtiva efetiva

Representa o nível de produção que a empresa efetivamente consegue ter. É baseada em cima da capacidade disponível, mas com uma provisão de perdas, faltas, paradas por manutenção e demais interrupções planejadas durante a produção. Por serem fatores previsíveis e controlados, é possível inclui-los cálculo de capacidade efetiva.

Capacidade produtiva realizada

Corresponde à capacidade efetiva, mas considerando também as perdas e paradas que não são planejadas. Entram nesse cálculo eventos como como interrupção de energia, falta de matérias primas, ausência de funcionários, danos na infraestrutura, entre outros.

Como são fatores imprevisíveis, a capacidade realizada é calculada por uma estimativa – que leva em conta a probabilidade desses eventos acontecerem e o histórico da empresa.

Por que a análise da capacidade produtiva é importante?

Quando o assunto é avaliar a situação atual de uma empresa, saber como anda a sua eficiência operacional funciona é mais do que fundamental.

No setor industrial, por exemplo, conhecer quanto uma empresa consegue produzir de uma fábrica permite uma melhor tomada de decisões. Entre elas, estão o dimensionamento dos estoques, a redução dos custos de produção e armazenagem, o melhor aproveitamento dos insumos e matérias primas e a otimização na rotina de trabalho dos funcionários.

Além disso, o indicador de capacidade produtiva serve para dimensionar o fornecimento ao mercado e adequar a planejamento comercial e financeiro da empresa. Produzir a menos pode significar perda de clientes, beneficiando diretamente a concorrência. Por outro lado, produzir a mais gera custos maiores, prejudicando o fluxo de caixa operacional da empresa.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.