Ativo Financeiro se caracteriza por gerar valor a seu possuidor
Por: Tiago Reis

Você sabe o que é um ativo financeiro e quais as suas características?

No ambiente das finanças pessoais, estar ciente do que se trata um ativo financeiro é fundamental.

Mesmo diante da importância desse representativo termo, muitas pessoas no Brasil ainda não têm ideia sobre do que se trata um ativo financeiro.

Talvez possa ser esse um reflexo da baixa educação financeira presente na média da população, porém, mesmo assim, é extremamente importante que o maior número de pessoas possível tenha consciência, o quando antes, sobre esse importante conceito financeiro.

Ativo Financeiro – Conceito

Os ativos financeiros podem ser classificados como o conjunto de alternativas disponíveis para serem negociadas no mercado financeiro e de capitais.

Robert T. Kiyosaki, autor do clássico livro das finanças Pai Rico, Pai Pobre, um ativo é tudo aquilo que gera renda para o seu possuidor, diferentemente de um passivo financeiro, que, segundo sua definição, é tudo aquilo que gera despesa para essa mesma pessoa.

Dito isso, é claramente possível entender que aqueles indivíduos que priorizam a aquisição de ativos apresentam um balanço financeiro diferente, pois os ativos geram renda não trabalhada, muitas vezes na forma de dividendos oriundos de ações compradas em Bolsa de Valores, juros de empréstimos para o governo (títulos públicos) ou para empresas (debêntures), aluguéis de imóveis e royalties de propriedades intelectuais.

Portanto, é extremamente recomendável que uma pessoa, ao longo de sua vida, procure adquirir, com a renda proveniente do seu trabalho, o maior número de ativos financeiros possíveis.

Feito essa definição, é interessante destacar que os principais tipos de ativos incluem:

  • Câmbio e moeda: através de transações de moedas oriundas de diversos e diferentes países (exemplo: dólar e euro, dólar australiano e iene, etc.), onde também são normalmente negociadas em pares através do mercado Forex;
  • Commodities: através de negociações de compra e venda de diferentes tipos de mercadorias realizadas diretamente na bolsa de valores e que são precificadas de acordo com o conceito da oferta e da demanda;
  • Opções: mercado que pode ser definido como uma espécie de apólice de seguro, que dá ao titular o direito de comprar qualquer tipo de ativo por um preço pré-estabelecido;
  • Ações: menores partes do capital social de uma empresa aberta que são negociados na bolsa de valores;
  • Fundos imobiliários: pequenas partes de um empreendimento imobiliários que são transacionadas na bolsa de valores e oferecem participação no aluguel deste empreendimento para seus possuidores;
  • Títulos públicos: recurso que permite aos investidores “emprestarem” dinheiro para o governo em troca de uma remuneração em forma de juros;
  • Títulos privados: mesmo conceito dos títulos públicos, porém nesse caso os empréstimos são feitos para instituições financeiras privadas;

Existem diversos outros tipos de ativos, como obras de arte e até mesmo coleções das mais variadas classes, porém essas citadas acima são, sem dúvidas, as mais representativas.

Conclusão

Fica fácil perceber, de acordo com o que foi elucidado acima, que para uma pessoa, a melhor decisão a ser tomada no que diz respeito às suas finanças pessoais é acumular, ao longo da vida, o maior número possível de ativos financeiros, haja vista que, com o passar do tempo, o resultado desse comportamento oferece os mais recompensadores resultados.

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.

Nenhum comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia Mais...
Outras Seções

Ações

205 artigos
Ações

FIIs

52 artigos
FIIs

Minicurso Gratuito

Contabilidade Para investidores

Os principais conceitos sobre contabilidade que todo investidor precisa saber!