Análise marginal

Se você tem certo conhecimento na área de Administração de Empresas, provavelmente já ouviu falar em análise marginal.

Mesmo tendo origem econômica, a análise marginal é uma importante ferramenta para auxiliar o planejamento estratégico de uma empresa, comparando custos e benefícios para melhorar a eficiência da mesma como um todo.

O que é análise marginal?

Basicamente, a análise marginal permite que uma empresa compare os custos incorridos aos benefícios obtidos por estratégias financeiras. A lógica dessa análise é comparar os custos de aplicação de várias medidas com os seus respectivos resultados, visando a aumentar a lucratividade.

Por isso, a análise marginal é considerada uma ferramenta de grande importância dentro do processo de tomada de decisão em um ambiente empresarial.

Aplicações da análise marginal

Resumidamente, a análise marginal serve para:

  1. É utilizada para auxiliar a tomada de decisões em uma empresa;
  2. Permite a avaliação de custos e benefícios;
  3. Tem o objetivo de maximizar a lucratividade.

Para exemplificar, suponha as seguintes situações. Em um financiamento, por exemplo, uma empresa deve escolher em qual unidade vai parar a produção. Da mesma forma,  um investidor que tem X ações do estoque de uma empresa precisa decidir quão valiosa é mais uma participação no negócio. Em ambos os casos, os agentes envolvidos precisam fazer uma análise marginal de todos os fatores e escolher aquele que fornece o melhor retorno.

Origem econômica da análise marginal

Análise marginal

A análise marginal tem como base o Princípio 3 do livro “Principles of Economics” do economista Gregory Mankiw. Originalmente, esse princípio é chamado de “Rational People Think at the Margin” (algo como “Pessoas racionais pensam na margem”).

Segundo Mankiw, “as pessoas racionais sistemática e propositadamente fazem o melhor que podem para alcançar seus objetivos, dadas as oportunidades disponíveis”.

Logo, o economista considera que “um tomador de decisões racional toma uma ação se e somente se o benefício marginal da ação exceder o custo marginal”. Dessa série de princípios surgiu o marginalismo, uma teoria econômica em que o indivíduo avalia as decisões na margem.

Por exemplo, ao comprar ou investir em um produto, considera sua importância e utilidade, e, para que uma mudança marginal seja adotada, os benefícios adquiridos precisam superar os custos.

Portanto, em resumo, a análise marginal econômica pode ser designada como uma técnica de análise de custo-benefício.

Utilização da análise marginal dentro da gestão financeira

Em Economia, o termo “análise marginal” é mais frequente. Entretanto, na área de Gestão Financeira, a expressão mais utilizada é “análise de custo-benefício”. Ou seja,a análise marginal e a análise de custo-benefício são similares, sendo o primeiro termo mais empregado em Gestão Empresarial e o segundo em Economia.

A relação entre análise marginal e análise de custo-benefício

Mesmo com as semelhanças, existem significativas diferenças entre a análise marginal e a análise de custo-benefício.

A análise marginal é feita a partir de dois conceitos:

Mas no caso da análise de custo-benefício, o requisito básico é uma unidade de medida comum. Essa unidade comum dá a possibilidade de que os efeitos das decisões negociais sejam comparados a uma linha de fundo: o gerente identifica benefícios e custos futuros previstos, e a linha define as ações para maximizar os benefícios líquidos.

Por exemplo: uma loja de varejo eleva o preço de um produto em 20% (o benefício), estimando que serão vendidos 10% a menos de tal produto (o custo).

Caso a gerência da loja tiver previsto corretamente, ocorrerá um benefício líquido positivo devido a uma maior receita futura, a despeito da redução do número de vendas.

A análise marginal pode ser uma ferramenta muito útil para avaliar o valor de empresa. Quer saber mais sobre esse tema? A Suno é especialista em análises financeiras e de investimento e está aqui para ajudar você. Para aprender a estudar empresas e descobrir quanto elas realmente vale, inscreva-se em nosso minicurso “Valuation e precificação de ativos”. Conteúdo de alto valor e 100% gratuito.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.