agência de fomento

Para melhorar a margem de lucro de um negócio, é preciso que o gestor faça algumas mudanças. Dependendo do caso, o auxílio de agência de fomento pode vir a calhar.

Mas você sabe qual é a principal agência de fomento do Brasil?

Agência de fomento é uma instituição com foco em estimular o crescimento dos empreendimentos. Para isso, ela empresta dinheiro para que os empreendedores invistam nos seus novos negócios. Normalmente, agências de fomento fornecem ajuda para empresas que precisam tanto para capital fixo como de giro.

Estas agências costumam ser ligadas ao Estado, seja ao governo federal, estadual ou municipal.

Há agências de fomento em 16 estados brasileiros.

A ideia é que, incentivando o crescimento das empresas, a economia local também tenha um desempenho melhor.

Isso porque casa novo negócio gera mais empregos, movimentação de dinheiro e, consequentemente, impostos.

Por isso, é comum que a agência de fomento ofereça uma série de linhas de crédito, com pagamento facilitado.

Muitas destas instituições também oferecem cursos e capacitações para ajudar estes empreendedores a crescerem com maior estabilidade.

Agência de fomento no meio rural

Procurar uma agência de fomento é uma das formas mais baratas de se capitalizar.

Um bom exemplo de quem pode obter recursos de uma agência de fomento são os agricultores familiares.

Este público, responsável por uma parcela significativa da produção rural do Brasil, é um dos que mais recorre a agências de fomento.

Isso porque, como os equipamentos que podem aumentar a sua produção são extremamente caros, o jeito é financiá-los.

O mesmo vale para empresas de tecnologia, da indústria ou mesmo de serviços.

No entanto, apesar de ser uma das formas mais baratas de obter recursos, ainda há um custo, além da devolução do valor solicitado.

Os juros cobrados pelos empréstimos variam de acordo com a agência escolhida e com o segmento da sua empresa.

A este valor, ainda deve ser acrescentado o IPCA.

Em Goiás, por exemplo, as taxas nas linhas de Capital de Giro da Goiás Fomento, variam entre 1,71% e 1,92% ao mês.

Já nas linhas de Investimento, os juros oscilam entre 1,30% e 1,46% ao mês.

Além dos juros menores, ainda há uma flexibilidade no início do pagamento da dívida, podendo começar a quitação até 12 meses depois de contrair o empréstimo.

Assim, espera-se que o investimento já tenha começado a dar lucro quando a primeira parcela for paga.

Para conseguir o crédito, muitas vezes será preciso oferecer uma garantia de pagamento, como imóvel ou seguro.

Ter o nome limpo, ou seja, não constando em serviços de proteção ao crédito, também é fundamental.

Banco de fomento

Além das agências de fomento, existem também os bancos de fomento, que cumprem a mesma função: facilitar o crédito para os empreendedores.

Estas instituições também costumam ser ligadas ao Estado.

O banco de fomento mais conhecido no Brasil é o Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).

A instituição tem por objetivo estimular o crescimento das empresas e financiar novos negócios, por meio de linhas de crédito.

A composição da taxa de juros varia de acordo com a forma de apoio.

No BNDES, estas taxas são complexas.

  • No caso de operações indiretas, três cobranças compõem a taxa de juros final:
  • Custo Financeiro;
  • Taxa do BNDES, que, por sua vez, abrange a remuneração do BNDES e a taxa de intermediação financeira;
  • Taxa do Agente Financeiro.

Nas operações diretas, o cálculo é mais simples. Isso porque há a incidência apenas do Custo Financeiro e da Taxa do BNDES, que neste caso, é composta pela remuneração do BNDES e por uma taxa de risco de crédito.

Além de todas estas tarifas, o BNDES pode cobrar ainda um percentual sobre o saldo do financiamento que não tiver sido utilizado. Este é chamado de encargo por reserva de crédito.

Apesar da complexidade dos cálculos, ainda é mais vantajoso recorrer a um banco ou agência de fomento do que pagar o alto custo de um empréstimo em bancos tradicionais.

Compartilhe a sua opinião
Tiago Reis

Tiago Reis

Formado em administração de empresas pela FGV, com mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro, foi sócio-fundador da Set Investimentos e é fundador da Suno Research.