Gilson Filkenstein

  • Nome Completo: Gilson Filkenstein
  • Idade: 45
  • Nacionalidade: Brasileiro
  • Formação: Engenheiro de produção
  • Ocupação: Presidente da B3
  • Redes Sociais:

Quem é Gilson Filkenstein

Gilson Filkenstein é o atual presidente da B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), a maior bolsa de valores da América Latina e a única a operar no Brasil. Ele assumiu o posto na B3 em maio de 2017, após a saída de Edemir Pinto do mercado financeiro.

Antes, Gilson Filkenstein estava a frente da Cetip (chegou ao cargo de diretor em 2013) que se fundiu a BM&FBovespa e deu origem a B3.

A B3 é uma das maiores bolsas do mundo, atrás apenas das de Nova York e Chicago, nos Estados Unidos, Londres, na Inglaterra, Hong Kong e Frankfurt, na Alemanha.

Em suas mãos, Filkenstein tem uma bolsa com valor de mercado estimado em R$ 45 bilhões, que é acionista em bolsas de quatro países da América Latina e conta com mais ou menos 2.200 funcionários.

Trajetória de Gilson Filkenstein

Gilson Finkelsztain

Gilson Filkenstein é formado em engenharia de produção civil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ).

Com mais de 24 de experiência no mercado financeiro, é também especializado pelo Instituto Europeu de Administração de Empresas (INSEAD).

Começou a trajetória no mercado financeiro no Citibank, em 1993. Na instituição, ocupou posições de gerência tanto no Brasil quando em unidades do México e Estados Unidos.

Filkenstein permaneceu no Citibank até 2007 – naquela época, já era diretor de vendas de tesouraria.

Em seguida, foi membro do comitê executivo do banco de investimentos norte-americano JP Morgan no Brasil. A trajetória na instituição durou até 2010.

Foi quando ele migrou para o Bank of America Merrill Lynch, local onde permaneceu por um breve período.

Depois, integrou o quadro de profissionais do Santander. Na instituição financeira, onde ficou até 2013, ocupou vagas de diretoria nas áreas de renda fixa, câmbio, commodities, produtos e estruturação de derivativos.

Enquanto esteve no Santander, também foi membro do conselho de administração da Cetip – a maior depositária de títulos privados de renda fixa da América Latina.

Em 2013, assumiu como CEO da Cetip.

Em 2017, a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo se fundiu a Cetip, dando origem a Brasil, Bolsa e Balcão (B3).

Com a saída de Edemir Pinto da presidência da B3, Gilson Filkenstein assumiu a vaga.

Gilson Filkenstein e a B3

A B3 é a sexta maior bolsa de valores do mundo – atrás das já consolidadas bolsas de Nova York, Chicago, Londres, Hong Kong e Frankfurt.

Com valor de mercado estimado em R$ 45 bilhões, a gestão de Gilson Filkenstein parece estar no caminho certo.

Com recordes de volumes e receitas nos segmentos de derivativos e ações, o lucro líquido da B3 no segundo trimestre de 2018 aumentou em relação ao mesmo período de 2017.

Entre janeiro a junho de 2018, havia sido de R$ 1,039 bilhão (cerca de 179% a mais ante aos primeiros seis meses do ano anterior).

Ainda em 2018, o acervo de produções artísticas da B3, que conta com 66 produções, de artistas como Anita Malfatti e Emiliano di Cavalcanti, foi cedido ao Masp em modelo de comodato.

O acervo ajudou a aumentar em 30% a visitação do museu, localizado na Avenida Paulista, em São Paulo.

Como noticiou o Estadão, na inauguração da exposição, Gilson Filkenstein recebeu diversos nomes do mercado financeiro.

Gostou do conteúdo? Compartilhe!
Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Deixe sua opinião sobre Gilson Filkenstein

eBook Gratuito

Manual do Investidor

Tudo o que você precisa para dar os primeiros passos na Bolsa de Valores