XP troca duas ações em carteira recomendada semanal “Top Picks”

XP troca duas ações em carteira recomendada semanal “Top Picks”
XP troca todas as cinco ações na carteira recomendada semanal “Top Picks”

A XP Investimentos (NYSE: XP) informou que trocou três ativos de sua carteira recomendada semanal baseada em análise técnica, a chamada “Top Picks”, válida até a próxima sexta-feira (17).

Os papéis da Hering (HGTX3) e Iguatemi (IGTA3) entraram no lugar das ações da Minerva (BEEF3) e Cosan (CSAN3) na carteira da XP.

Segundo Gilberto Coelho, analista responsável pela carteira de análise técnica da gestora, as novas ações escolhidas estão em tendência de alta na análise técnica e podem ter performance positiva na semana.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

“Hering (HGTX3) está em tendência de alta projetando R$ 17,00 ou R$ 19,45. Tem suportes em R$ 14,69 e R$ 13,44. Iguatemi (IGTA3) está em tendência de alta projetando R$ 38,80 ou R$ 42,70. Tem suportes em R$ 35,00 e R$ 32,50” afirmou, em nota, Coelho.

Além das ações citadas, a carteira ainda conta com os papéis de Klabin (KLBN4), IRB (IRB3) e Magazine Luiza (MGLU3).

Na última semana, a carteira “Top Picks” subiu 0,92%, enquanto o Ibovespa, principal índice acionário da bolsa de valores de São Paulo (B3), subiu 3,38%. No ano, a “Top Picks” acumula queda de -24,50%, enquanto que o índice tem baixa de 15,60%.

De acordo com a XP, a carteira é composta por cinco ativos, tendo cada um o peso igual de 20%. O objetivo é que a média do retorno dos ativos, ao final da semana, supere o benchmark do Ibovespa. O retorno da carteira é medido de acordo com os preços de fechamento dos ativos nas sextas-feiras.

A carteira semanal gráfica recomendada da XP Investimentos é composta por cinco ativos e busca retornos no curto prazo, mirando apenas a análise técnica. A análise técnica é uma ferramenta utilizada com base em padrões históricos de preços, a análise técnica busca fornecer uma resposta à direção do mercado no curto prazo.

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião