Negócios

WeWork revela prejuízo de 900 milhões de dólares no primeiro semestre

0

A WeWork divulgou nesta quarta-feira (14) uma espécie de balanço com os números da empresa. A companhia de espaços compartilhados possivelmente irá abrir capital ainda neste ano. No primeiro semestre deste ano, a WeWork já registrou US$ 904,6 milhões de prejuízo e teve faturamento de US$ 1,5 bilhão.

Em 2018, o faturamento da WeWork foi de US$ 1,8 bilhão. O valor significa um avanço de 200% em comparação ao ano de 2017. Em comparação com 2016, o valor foi 400% maior.

Em contrapartida, o prejuízo da empresa de espaços compartilhados também foi grande. Em 2018, as perdas somaram US$ 1,9 bilhão. Se comparado a 2016, o valor registrado em prejuízo da empresa cresceu aproximadamente 300%.

A WeWork salienta que houve um crescimento de seus membros em mais de 100% ao ano desde 2014. “Crescemos significativamente desde nossa criação”, diz a empresa.

A empresa tem muitos gastos com negociações de ativos imobiliários em regiões com custos altos. Em São Paulo, a startup de tecnologia possui espaços em Pinheiros, Morumbi, Oscar Freire, Perdizes e avenida Paulista. Os cinco bairros são considerados bairros nobres da cidade. Com isso, em 2018 a empresa gastou US$ 1,5 bilhão.

Veja também: CVM proíbe Atlas Quantum de ofertar investimentos 

Abertura de capital da WeWork

A WeWork está atrás de um financiamento de US$ 6 bilhões. Entretanto, a empresa precisa, primeiramente, obter sucesso em sua oferta pública inicial (IPO). A abertura de capital da companhia está prevista para setembro deste ano.

A empresa foi fundada em 2010, em Nova York, nos EUA. A empresa começou com dois prédios na cidade norte americana e logo após isso começou a se expandir. Em 2018, a WeWork registrou 425 prédios, em 100 cidades diferentes.

Veja também: WeWork já apresentou os documentos para realizar seu IPO 

Dados atuais mostram que a empresa já está presente em mais 11 cidades, somando assim 111 áreas de atuação diferentes. Entretanto, apenas em 2014 a WeWork começou a atuar fora dos EUA. Atualmente, a maioria de seus membros são de locais de fora dos Estados Unidos.

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.