Vale a pena investir na compra de imóvel? Confira os prós e contras

Vale a pena investir na compra de imóvel? Confira os prós e contras
Vale a pena comprar imóvel como investimento?

Por muito tempo, investir em imóvel era algo pouco recomendado por especialistas, mas a queda da taxa básica de juros (Selic) mudou este cenário, ao baratear os financiamentos imobiliários e tornar a renda fixa cada vez menos atraente.

Com os juros mais baixos, as taxas de financiamento de imóvel também caíram. A Selic iniciou o ano de 2020 a 4,5% e foi cortada para 2% ao ano (a.a). Isso também aconteceu com juros de financiamento imobiliário, que passaram de 9% ao ano, para 6,99%, menor patamar histórico, segundo a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip).

Os especialistas consultados pelo SUNO Notícias apontam que o investimento em mercado imobiliário faz sentido desde que seja o imóvel um ativo dentro de uma carteira diversificada.

Portanto, o ideal é que o investidor possua uma  combinação entre imóveis, ações e Fundo Imobiliários (FIIs). Isso porque traz possibilidade de maiores retornos no longo prazo e diversifica o risco.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Mas será que não compensa mais investir em ações do que imóveis? Ou compensa mais aplicar em FIIs do que em imóveis ? Para responder essas e outras perguntas nós do SUNO Notícias conversamos com especialistas em finanças pessoais.

Vale a pena comprar imóvel?

Os especialistas apontam que, devido ao atual cenário de juros baixos e à expectativa de retomada de crescimento da economia brasileira, o imóvel pode fazer sentido hoje para a carteira do investidor.

“Há alguns anos a compra do imóvel era considerado um investimento totalmente desvantajoso, hoje já não é mais assim. O imóvel compete com a renda fixa, quando a renda fixa fica ‘ruim’ o imóvel fica ‘bom’. O imóvel se defende melhor da inflação do que os outros investimentos”, disse o educador financeiro, André Massaro.

Conforme a economia brasileira vai crescendo, o imóvel vai se valorizando. Além disso, o ativo se protege melhor contra a inflação, o que o difere de outros investimentos.

Com o crescimento, o bem tende a se valorizar. Por esta razão, segundo o professor da Saint Paul Escola de Negócios, Maurício Godoi, o retorno “passa a ser maior do que algum investimento em renda fixa“.

O professor ressalta ainda que investir em imóvel vale muito mais a pena para quem tem o perfil conservador. “O investimento em imóvel é para um perfil de investidor muito mais conservador. Quando o investidor compra o imóvel é por dois motivos: pela segunda renda através do aluguel, e outro pela valorização do imóvel”.

Atenção para os riscos envolvidos

Entretanto, os especialistas apontam que apesar do investimento valer a pena, não há liquidez, o que é uma desvantagem. Por isso, é importante que o investidor tenha uma carteira diversificada. Além disso, a compra do bem compensa mais se for à vista.

É o que aponta o CEO e Planejador Financeiro da K1 Capital, Vitor Noronha. Para Noronha, a pessoa que pensa em comprar imóvel precisa ter o patrimônio investido em ativos diversificados.

“Além da possibilidade de demorar a vender, o investidor deve levar em consideração os custos enquanto o imóvel não é vendido, como IPTU e condomínio. Se o imóvel estiver alugado, os custos de manutenção também precisam entrar na conta”.

Noronha acrescenta que se o objetivo é rentabilidade, o investidor precisa primeiro saber como será feita essa aquisição, se será à vista, com financiamento tradicional ou um consórcio (carta de crédito). O planejador financeiro aponta que a compra à vista é a mais vantajosa pois não haverá custos e juros a serem pagos.

“Normalmente, a compra financiada é a mais rápida, porém costuma ser a opção mais cara devido à carga de juros sobre juros ao longo dos anos; uma maneira intermediária em termos de prazo e custos seria a carta de crédito, que se bem utilizada pode ser uma forma menos onerosa de financiar a compra do bem”, disse Noronha.

Renda fixa x Imóvel

Se o perfil daquele que investe em imóveis tem a tendência a ser mais conservador, então o investidor pode se encontrar em uma encruzilhada entre investir em renda fixa ou em imóveis. Todos os especialistas consultados para a matéria dizem que o momento atual do mercado aponta como maior oportunidade o investimento em locação física.

“Atualmente compensa mais investir em imóveis do que investir em renda fixa. Compensa porque o ganho com a renda fixa hoje está muito ruim. A ideia da renda fixa como aquele porto seguro já é questionada, então neste cenário, o investimento em imóveis começa a fazer sentido”, disse Massaro.

Para Noronha, o atual cenário de conjuntura de juros baixíssimos no Brasil de fato faz o investidor olhar para aquisição de imóveis. “No cenário atual, estamos em momento de taxas historicamente baixas no Brasil, o que certamente favorece a aquisição de bens físicos e desfavorece o investimento em renda física de baixo risco”.

O professor ainda acrescenta que se o foco do investidor for aumento patrimonial dificilmente ele conseguirá com aplicações em renda fixa.

“Se o investidor pretende uma valorização patrimonial, a médio e longo prazo, com a renda fixa no Brasil vai ser um pouco mais difícil dele conseguir. Já é mais possível no mercado imobiliário com o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB)”.

Ação ou Imóvel?

Portanto, o investidor pode considerar outras formas de investimentos, como ações. Os especialistas apontam que a pessoa precisa analisar as diferenças que permeiam esses ativos.

O investimento em ações é completamente diferente do investimento em imóveis.

“As ações têm uma dinâmica própria associada ao mercado em que as empresas negociadas atuam. Nesse sentido, ações e imóveis devem ser encarados como investimentos cujos ganhos são descorrelacionados, isto é, a rentabilidade das ações não tem a ver com a rentabilidade de imóveis”.

O professor também concorda que não tem como comparar o mercado acionário com o imobiliário. A única semelhança, se possível, entre ambos os mercados, é o período de investimento que é a longo prazo.

“Mercado de ações é também um mercado de longo prazo, porém de alto risco. No meu ponto de vista, não tem como comparar, porque o acionário tem total absorção do risco”.

FIIs x Imóveis físicos?

Apesar de apontarem diferenças entre ações e imóveis, os especialistas mostram que os FIIs são uma oportunidade para a pessoa que não quer arcar com as desvantagens do imóvel físico.

“Uma das maiores vantagens [do FIIs] é permitir que o investidor forme uma carteira em diferentes tipos de imóveis com um investimento muito menor se investisse diretamente nesses imóveis”, disse Noronha.

Para o planejador financeiro, os FIIs são ativos que buscam replicar a estratégia de imóveis de alto padrão, que em geral o investidor pessoa física não teria acesso como investidor individual. “Portanto, é uma ótima alternativa de diversificação para investidores com patrimônios menores e que não teriam capacidade de investir em vários imóveis físicos ao mesmo tempo”, completou Noronha.

O professor Godoi atentou também para a diferença do retorno de rentabilidade de ambos os investimentos. Os FIIs são voltados para médio prazo, algo em torno de quatro a cinco anos.

Já o imóvel é acima de cinco a dez anos. Além disso, os imóveis no longo prazo têm característica de proteção contra a inflação devido aos contratos de aluguéis, que possuem clausulas de reajustes pelo IPCA ou IGP-M.

“O imóvel não é uma proteção perfeita contra a inflação, mas ele oferece uma proteção parcial, até porque o contrato de aluguel é reajustado todo o ano, com exceção de 2020 em razão da pandemia”, comentou Massaro.

Todos os especialistas consultados apontaram que tanto o FIIs como o imóvel físico tendem a ser ativos muito mais voltados para a geração de renda do que ao aumento de capital.

 

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião