Vacina da Rússia contra coronavírus induz resposta imune, aponta The Lancet

Vacina da Rússia contra coronavírus induz resposta imune, aponta The Lancet
"A segurança da vacina foi comprovada, mas sua eficácia não está totalmente certificada", destacou a China.

A revista científica The Lancet publicou nesta sexta-feira (4) os resultados da vacina contra o novo coronavírus (covid-19) da Rússia. De acordo com o estudo publicado, a “Sputnik V” foi capaz de induzir resposta imune nos voluntários e apresentou segurança nos testes de fase 1 e fase 2.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Segundo a publicação, a vacina contra o novo coronavírus não causou nenhum efeito colateral grave em 42 dias após a vacinação e conseguiu induzir resposta dos anticorpos em todos os voluntários em até 21 dias.

A “Sputnik V” foi registrada no mês passado na Rússia, mas a falta de estudos publicados sobre os testes gerou desconfiança entre a comunidade internacional. Apesar de confirmarem eficácia, os cientistas russos reconhecem a necessidade de mais testes.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A vacina russa foi testada em 76 pessoas. As fases 1 e 2 dos testes buscam verificar a eficácia e a segurança delas. Normalmente, os testes de fase têm dezenas de voluntários, os de fase 2, centenas, e os de fase 3, milhares. Na fase 3, o principal objetivo é verificar a eficácia em larga escala. Para esta etapa, a Rússia pretende chamar 40 mil voluntários.

A “Sputnik V”, teve duas fases testadas em 42 dias. Uma delas estudou a formulação congelada e a outra uma versão desidratada. Foi concluído que a vacina congelada é melhor para ser produzida em larga escala. Já a segunda opção é melhor para regiões de difícil alcance. A vacina é baseada no adenovírus humano.

“Quando vacinas de adenovírus entram nas células humanas, elas passam o código genético da espícula do novo coronavírus, o que faz com que as células produzam, por si só, as proteínas necessárias. Isso ajuda o sistema imune a reconhecer e atacar o vírus”, disse Dr. Denis Logunov na publicação da The Lancet.

Rússia inicia produção da vacina contra o coronavírus

O Ministério da Saúde da Rússia anunciou em agosto que iniciou a produção do primeiro lote da vacina contra o novo coronavírus (covid-19), conhecida como Sputnik V.

“A produção de uma vacina contra a infecção por coronavírus desenvolvida pelo Centro de Pesquisa Gamaleya do Ministério da Saúde da Rússia, já começou”, informou o comunicado da pasta. Até janeiro do próximo ano está previsto a produção de cinco milhões de doses mensais.

De acordo com o governo russo, a imunização foi testada em animais antes de ser aplicada em humanos, depois, exatamente no dia de 17 de junho, menos de dois meses, os humanos começaram a ser testados.

A Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra o coronavírus. Apesar do governo afirmar que a imunização é segura e eficaz, os cientistas internacionais questionavam a vacina, porque não havia resultado divulgado.

Poliana Santos

Compartilhe sua opinião