Internacional

No Twitter, Donald Trump pede redução de taxas de juros a zero

0

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou a fazer pedidos e atacar o Federal Reserve (Fed) nesta quarta-feira (11) em sua conta do Twitter. Desta vez, o mandatário pediu corte da taxa de juros a zero, “ou menos”.

“Os EUA devem sempre pagar a taxa mais baixa. Sem inflação! É apenas a ingenuidade de Jay Powell e do Federal Reserve que não nos permite fazer o que outros países já estão fazendo. Uma oportunidade única na vida que estamos perdendo por causa de “cabeças de vento”, afirmou Donald Trump.

Recentemente, o presidente dos EUA tem sido bastante objetivo com Powell, entretanto é a primeira vez que Trump fala sobre o nível que a taxa precisa chegar, em sua opinião. A taxa básica de juros se encontra, atualmente, entre 2% e 2,25% nos Estados Unidos. A reunião de política monetária do Banco Central norte-americano ocorre nos próximos dias 17 e 18.

“O Federal Reserve deve reduzir nossas taxas de juros para ZERO, ou menos, e devemos começar a refinanciar nossa dívida. O custo de juros pode ser retirado ao redor, enquanto ao mesmo tempo prolonga substancialmente o prazo. Temos a grande moeda, poder e balanço patrimonial”, destacou o presidente norte-americano.

J.P. Morgan analisa impacto do Twitter de Donald Trump no mercado

O banco de investimento norte-americano J.P. Morgan criou um índice que analisa os efeitos no mercado dos tweets de Donald Trump. O índice verifica o impacto das mensagens postadas nas redes sociais pelo presidente dos Estados Unidos.

Veja também: Hong Kong Exchange faz oferta de £ 32 bilhões para comprar LSE

O novo índice do J.P. Morgan analisa o impacto no mercado de renda fixa dos Estados Unidos, em específico na volatilidade implícita dos rendimentos de 2 e 5 anos.

O gráfico do índice também avalia a taxa de relação de palavas de Trump e reação nas Treasuries de 10 anos cinco minutos depois da postagem da mensagem.

“Isso faz sentido pois muito dos tweets de Donald Trump tiveram como foco o Federal Reserve (Fed), e as tensões comerciais são amplamente avaliadas, em primeiro lugar, exercendo impactos na performance econômica de curto prazo, além da reação do Fed às mensagens”, informaram os analistas do J.P. Morgan liderados por Savita Subramanian.

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.