Taurus (TASA3) compra impressora de metal 3D suíça

Taurus (TASA3) compra impressora de metal 3D suíça
A Taurus (TASA4) fechou um acordo com bancos para o reescalonamento do pagamento de uma dívida de R$ 123 mi

Taurus (TASA3; TASA4) anunciou a compra de uma impressora de metal 3D para aumentar os investimentos no processo de pesquisa e desenvolvimento da empresa.

Segundo a Taurus, a impressora suíça 3D Direct Metal Printing (DMP) Flex 350 da System, que foi entregue em sua fábrica no Rio Grande do Sul, é primeira desse modelo a ser entregue no hemisfério sul do mundo.

O presidente da maior fabricante de armas leves da América Latina, Salesio Nuhs afirmou que “um dos grandes diferenciais da Taurus, diante da concorrência, é a quantidade de novos produtos lançados e a tecnologia aplicada nestes produtos. Para isso, seguimos investindo em tecnologia para suportar e aumentar a velocidade do processo de P&D”.

Ademais, a companhia indicou que o produto será uma alternativa as técnicas de geração de metais clássicas, além de reduzir o desperdício e proporcionar impressões mais rápidas.

A empresa brasileira já vem investindo em processos e desenvolvimento a algum tempo, nos últimos anos a empresa comprou equipamentos como centros de usinagem CNC de 5 eixos e eletroerosão a fio multi-eixos.

Como resultado desses e de outros investimentos, a Taurus conseguiu criar uma média de 400 novos modelos de armas, que foram adicionados ao catálogo de venda da empresa.

CVM penaliza ex-executivos da Taurus por fraude

Em janeiro desse ano, A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) penalizou um grupo de ex-administradores e ex-conselheiros da Taurus por fraude.

Os ex-executivos da Taurus foram penalizados pela CVM com inabilitação temporária após serem acusados de fraude na venda da subsidiária SM Metalurgia (SML) à Renill Participações, em 2012. As penalidades variam entre 8 a 10 anos de proibição de atuar em companhias abertas.

Saiba mais: Taurus anuncia joint venture com empresa indiana

De acordo com o diretor relator do caso, Gustavo Gonzalez, o órgão regulador identificou que a empresa omitiu condições pré-estabelecidas na divulgação da operação de venda da subsidiária. A CVM informou que os executivos da empresa assinaram contratos que não foram declarados, pois pretendiam omitir os termos reais da operação de venda.

Com isso, a Taurus acertou junto a representantes da Renill que a venda fosse formalmente contratada a R$ 155,35 milhões. Contudo, o valor original acertado para a negociação foi de R$ 64 bilhões.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião