Negócios

Taesa capta R$ 300 milhões via emissão de debêntures

0

A Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa) comunicou ao mercado, na última sexta-feira (17), que concluiu a captação de R$ 300 milhões via emissão de debêntures simples, não conversíveis em ações.

Os papéis irão vencer no dia 15 de dezembro de 2044 e terão remuneração do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4.77% ao ano. De acordo com o fato relevante divulgado pela Taesa (TAEE11), o valor nominal dos papéis será pago em 45 parcelas semestrais, em todos os dias 15 de junho e 15 de dezembro de cada ano. Vale destacar que a emissão foi coordenada pelo Banco Santander e as debêntures foram oferecidas para investidores institucionais qualificados.

O recurso será utilizado no projeto Sant’Ana, que tem como meta a realização de obras. A Taesa deve utilizar o montante para fazer a instalação de 591 km de linhas de transmissão, entre as cidades de gaúchas de Santana do Livramento, Alegrete, Santa Maria, Cerro Chato e Maçambará.

Veja também: Petrobras inicia processo de venda dos 10% restantes da TAG

Além disso a Taesa também deve utilizar o dinheiro para construir duas subestações de energia, a Maçambará 3 e a Livramento 3. Em outubro de 2019, o órgão ambiental do Rio Grande do Sul autorizou a construção das unidades.

Desinvestimento da Cemig na Taesa

A empresa mineira de energia Cemig (CMIG3) iniciou o processo de contratação de bancos para seus desinvestimentos em subsidiárias e participações.

Segundo o jornal “Valor Econômico”, a Cemig contratou o Bank of America para a venda de sua fatia na Transmissora Aliança de Energia Elétrica (Taesa). A Cemig possui 21,68% da companhia.

Balanço da Taesa no 3T19

A Taesa registrou lucro líquido de R$ 357,8 milhões no terceiro trimestre de 2019. Esse valor representa uma alta de 21,4% em comparação com o mesmo período do ano anterior.

A receita líquida apresentou um aumento de 38,6%, alcançando o valor de R$ 597,7 milhões. Os custos, despesas e depreciação e amortização totalizaram R$ 225,4 milhões, uma alta de 96,7%. Durante o período dos primeiros nove meses, os custos somaram R$ 456,4 milhões.

O Ebtida ( lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) totalizou R$ 376 milhões, representando um aumento de 18,2%. O resultado de equivalência patrimonial totalizou R$ 80,2 milhões, uma queda de 2,1% em relação ao mesmo período de 2018. A despesa financeira líquida da Taesa foi de R$ 48,8 milhões, uma baixa de 22,6%.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Juliano Passaro
Juliano Passaro escreve sobre política, economia e negócios para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou no Portal da Band. É formado em jornalismo pela Universidade Presbiteriana Mackenzie.