Política

Governo vai ao STF para ter anistia sobre Lei de Responsabilidade Fiscal

0

Nessa sexta-feira (27) o advogado-geral da União, André Mendonça, entrou com uma Ação Direta inconstitucional (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) para apressar a edição da Medida Provisória que pretende ampliar o auxilio financeiro para todos os trabalhadores que tiverem o contrato suspenso ou redução no salário ou carga horária, de acordo com o Estadão.

O governo entrou com uma Adin no STF pedindo flexibilização do controle de despesas. O Executivo pede que artigos da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) não sejam considerados para os gastos de combate da crise do novo coronavírus, durante o período de calamidade pública.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, discutiu nessa sexta-feira os detalhes sobre o auxílio financeiro destinado aos trabalhadores. Além disso, Bolsonaro afirmou que todos os trabalhadores precisavam ter direito.

Bolsa em queda livre!? Aproveita as maiores oportunidades da bolsa brasileira com nosso acesso Suno Premium

Na última terça-feira (24) o governo havia anunciado que destinaria cerca de R$ 36 bilhões para os trabalhadores que tivessem suas condições de trabalho afetadas pela pandemia do novo coronavírus.

O novo valor total do auxílio ainda está sendo calculado, mas é previsto que seja em torno de R$46 milhões. Ou seja, cerca de R$ 10 milhões a mais que a estimativa anterior.

Além disso, o governo continua a assegurar que o montante pago por ele e montante pago pelas empresas, somados, cheguem a pelo menos um salário mínimo, que atualmente tem o valor de R$1045.

Governo aguarda resposta do STF

Em relação ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), o valor liberado deve ser maior que R$ 500. Entretanto, o valor exato não pode ser indicado, já que o governo ainda está discutindo.

Poderão resgatar parte do dinheiro do FGTS todos os trabalhadores que possuírem saldo, incluindo aqueles que já resgataram a parcela do ‘saque-aniversário’.

Por fim, o governo salientou que está a disposição para editar a Medida provisória assim que o STF se manifestar.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Laura Moutinho
Estagiaria na Suno Notícias, escreve notícias que afetam o mercado financeiro. Estuda administração na Universidade Presbiteriana Mackenzie.