Loft, startup de imóveis, se torna o novo ‘unicórnio’ brasileiro

Loft, startup de imóveis, se torna o novo ‘unicórnio’ brasileiro
Loft, startup de imóveis, opera novo fundo imobiliário na B3

A Loft, startup de compra, venda e reforma de imóveis, é a mais nova companhia criada no Brasil a alcançar US$ 1 bilhão (R$ 4,06 bilhões) em valor de mercado.

Dessa forma, a mais nova avaliação fez com que a Loft tornara-se o 11º “unicórnio” do País. Este é o nome que se dá a empresas novas, sem capital aberto, que possuem US$ 1 bilhão em valor de mercado.

A empresa entrou na lista após uma rodada de investimento de US$ 175 milhões (R$ 710,32 milhões) liderada pela Vulcan Capital, fundo de investimento do cofundador da Microsoft Paul Allen. É o primeiro investimento do fundo na América Latina. A Vulcan já investiu em empresas já renomadas como:

  • Alibaba
  • Epic Games
  • Spotify
  • Uber

Andreessen Horowitz, Fifth Wall Ventures, QED Investors e Thrive Capital, Monashees, Valor Capital e Canary, que já tinham investido na companhia em rodadas anteriores, também fizeram parte do aporte. Com a nova rodada, a Loft soma US$ 273 milhões captados até agora. Os novos recursos, de acordo com a companhia, serão usados para financiar a expansão da companhia.

Confira: Loft, startup de compra e reforma de imóveis, capta R$ 216 mi para expansão

Segundo Mate Pencz, cofundador e copresidente da Loft, a companhia estava em busca de um investidor com perfil de prazo mais longo que os fundos de “venture capital” comuns. Além disso, a Vulcan tem experiência no mercado imobiliário – é o maior investidor em imóveis na cidade de Seattle, nos Estados Unidos, o que deve colaborar com a a Loft.

“A empresa está chegando a um patamar de maturidade, mostrando tração”, disse Pencz ao jornal “Valor Econômico”. Segundo ele, a Vulcan não terá assento no conselho da Loft. “Eles têm um perfil de pouca interferência no dia a dia dos negócios”, afirmou.

Loft expande suas operações

A startup foi criada em agosto de 2018, em São Paulo, com foco no segmento de alto padrão e imóveis de mais de 100 m² no Itaim e nos Jardins, bairros nobres da capital paulista. Aos poucos, no entanto, a Loft vem ampliando suas atividades. Atualmente, os imóveis com menos de 100 m² representam mais de 25% dos anúncios. Além disso, o inventário cresce três vezes mais rápido.

Quanto ao alcance da empresa, são 24 bairros atendidos na capital paulistana, com expectativa de chegar em breve ao Rio de Janeiro e à Cidade do México. Em 2020, também há planos para passar a operar em:

  • Belo Horizonte
  • Curitiba
  • Porto Alegre

A Loft opera na compra de imóveis usados e na revenda destes imóveis com maior valorização, sempre por meio de um corretor de imóveis. Recentemente, a empresa inaugurou um modelo de permuta, em que mesmo um imóvel situado em um bairro ainda não atendido por ela pode ser utilizado como parte do pagamento.

Saiba mais: SoftBank: política de campeãs explica aportes bilionários

A companhia gerou mais de US$ 150 milhões (R$ 608,49 milhões) em receitas considerando os números anualizados de dezembro e transacionou mais de 1 mil apartamentos em 2019.

Para comprar os imóveis a Loft tem R$ 550 milhões disponíveis em dois fundos de investimento imobiliário captados em 2018 e 2019. Todavia, de acordo com Pencz, o terceiro já está em processo de estruturação.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião