Destaque

Smart Fit (SMFT11) adquire controle de empresa de fitness digital MB

Smart Fit (SMFT11) adquire controle de empresa de fitness digital MB
A Smart Fit (SMFT3) apontou que entre julho e setembro de 2020, perdeu cerca de 198 mil clientes em meio à pandemia.

A rede de academias Smart Fit (SMFT11) informou nesta quinta-feira (9) que assinou contrato que prevê a compra do controla da MB Negócios Digitais, empresa do setor de fitness digital. O valor da operação não foi revelado.

Em comunicado enviado para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a Smart Fit informou também que o fechamento da aquisição está sujeito ao cumprimento de determinadas condições para tal tipo de operação.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

“A transação está em linha com a estratégia da companhia de desenvolver uma oferta omni-channel para seus clientes, e de liderança nos segmentos de alto crescimento na indústria de fitness”, disse, em nota, a companhia.

A aquisição do controle da MB, focada no digital, deve acelerar a presença da rede de academias no mundo digital, principalmente com aplicativos, que ganharam muita relevância com a crise causada pelo novo coronavírus (covid-19).

Smart Fit deve receber aporte de R$ 500 mi de sócios

A compra do controle da MB Negócios Digitais faz parte da estratégia da Smart Fit em tentar minimizar os efeitos da crise do coronavírus, que esvaziou as unidades da rede de academias.

No início de junho, a Smart Fit informou que deveria receber um aporte de R$ 500 milhões para combater a crise da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Leia Também: Smart Fit (SMFT11) não poderá cumprir covenant e reúne debenturistas

O capital levantado seria destinado para o fortalecimento das finanças da companhia. Segundo a “Exame”, o investimento na empresa só não acontecerá caso não haja uma renegociação sobre as debêntures da quarta emissão da empresa, que somam R$ 1,3 bilhão e veio ao mercado em abril de 2019.

A Smart Fit procura, junto aos credores, a dispensa do cumprimento de limites de alavancagem. Sem o entendimento sobre as debêntures, os sócios podem colocar novos recursos na empresa, ou então recomprar parcialmente a dívida, ou para melhorar o balanço da companhia em meio à pandemia. O investimento poderá voltar aos acionistas em forma de dividendos futuramente.

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião