Confira as small caps que mais valorizaram em maio

Confira as small caps que mais valorizaram em maio
Confira as small caps que mais valorizaram em maio

Mesmo em meio às turbulências políticas e da disseminação da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil, o Ibovespa fechou maio com uma alta de 8,57%, após um avanço de 10,25% em abril. O mercado de capitais de todo o mundo operam com grande volatilidade desde março, e com as small caps não foi diferente.

Algumas das small caps decolaram no mês encerrado na última sexta-feira (29), mesmo em meio à mística do “sell in may and go away” devido ao menor volume de negociações no mercado norte-americano.

O SMAL11, ETF que replica a carteira teórica de small caps do mercado, subiu 4,67% em maio. Apresentando um desempenho acima do índice, seguindo seus critérios metodológicos, confira quais foram as quatro ações que mais valorizaram desde o primeiro dia do mês, salientando que esta matéria não é uma recomendação de investimento.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

PetroRio

A PetroRio (PRIO3) é uma petroleira privada que atua em campos já consolidados, os campos maduros. Hoje, a maior parte das reservas estão no Campo de Polvo, próximo à Bacia de Campos, no Rio de Janeiro e no Campo de Frade, o qual a companhia adquiriu os 30% restantes da Petrobras (PETR3; PETR4) e possui 100%.

Anos atrás a companhia passou por um profundo processo de reestruturação. Desafiando os resultados e perspectivas negativas, conseguiu melhorar de forma relevante seus resultados, a ponto de se tornar uma das small caps “queridinhas” da bolsa em 2019.

O Ebitda (lucro antes de lucros, impostos, depreciação e amortização) ajustado do primeiro trimestre deste ano foi de R$ 197,1 milhões. O lucro líquido, por sua vez, atingiu R$ 128,29 milhões, revertendo o prejuízo de R$ 38,1 milhões no mesmo período do ano passado.

Segundo o especialista em renda variável da SUNO Reseach, Evandro Medeiros, “a companhia tinha um hedge que a protegeu dos baixos preços do petróleo durante boa parte do primeiro semestre, mas devido às incertezas quanto ao futuro dos preços e sua pequena escala, teve sua cotação bastante depreciada no ano”.

“A forte alta do barril de petróleo Brent desde o final de abril acabou por impactar positivamente os papéis da companhia”, afirmou.

É importante salientar que a companhia exporta 100% de sua produção, portanto, está exposta a variação do dólar. A moeda norte-americana já se valorizou mais de 30% frente ao real apenas neste ano.

As ações da PetroRio subiram 44,61% em maio, terminando o último pregão sendo negociadas a R$ 31,51. No acumulado de 2020, os papéis da empresa apresentam uma desvalorização de 6,29%.

Via Varejo

A Via Varejo (VVAR3) é um grupo composto por Casas Bahia, Ponto Frio, Bartira, o VVAtacado, além de administrar o Extra.com.br. A companhia é a “maior empresa de varejo eletroeletrônico e móveis do País”.

A Via Varejo passa por um momento de turnaround e tem procurado crescer seus negócios, ao passo que procura recuperar sua rentabilidade. No primeiro trimestre deste ano, por exemplo, mesmo em meio aos impactos da pandemia, a empresa registrou um lucro líquido de R$ 13 milhões, ante um prejuízo de R$ 50 milhões do mesmo período do ano passado.

A companhia prepara para realizar uma oferta primária de ações nos próximos meses. A confirmação foi feita por meio de um fato relevante. A oferta deverá ficar entre R$ 2,5 bilhões e R$ 5 bilhões. Atualmente, o valor de mercado da empresa é de cerca de R$ 16 bilhões.

Confira: GPA estima receber R$ 500 mi em créditos fiscais da Via Varejo

Segundo Medeiros, “todas as ações de varejo apresentaram fortes queda na pandemia, mas Via Varejo foi mais penalizada que outras concorrentes. Historicamente, as vendas eram bastante dependentes das lojas físicas, e havia incertezas quanto à capacidade da posição de caixa de cobrir com seus altos custos fixos”.

No entanto, para ele, “a companhia mostrou maior capacidade de se posicionar no varejo online do que era esperado pelo mercado”.

Os papéis da Via Varejo apresentaram uma alta de 38,50% neste mês, fechando a última sessão sendo cotados a R$ 12,52. Nos últimos 12 meses, no entanto, a valorização das ações é de 170,74%.

Burger King

Criado em 1954, na Florida, nos Estados Unidos, atualmente o Burger King (BKBR3) possui 15 mil lojas em todo o mundo, servindo mais de 11 milhões de clientes em 100 países.

A rede de hambúrgueres chegou ao Brasil em junho de 2011 como uma joint-venture entre um fundo de investimento gerido pela Vinci Capital Gestora e uma subsidiária da Burger King Corporation.

A abertura de capital na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) foi realizada em dezembro de 2017, no segmento Novo Mercado da B3, nível mais alto de governança corporativa. À época, a empresa levantou R$ 1,9 bilhão com a oferta de ações.

Recentemente, a Atmos Capital Gestão e APG Asset Management aumentaram suas participações na empresa, para 10,03% e 5,25%, respectivamente, do capital social da empresa.

Saiba mais: Burger King obtém empréstimo de R$ 170 mi para enfrentar o coronavírus

Medeiros afirma que, em meio à pandemia, “a queda da receita do Burger King foi parcialmente compensada pelo aumento da demanda por delivery e drive thru. Mesmo assim, a receita operacional líquida caiu 19,2% frente ao 4T19”.

As ações do Burger King subiram 34,96% em maio, sendo negociadas a R$ 12,16. Nos últimos 12 meses, a companhia registra uma desvalorização de 39,98%.

Usiminas

A Usiminas (USIM5) foi criada em 1962, quando passou a construir um dos maiores grupos siderúrgicos do País, operando em diversos segmentos da cadeia de valor do aço. Era uma empresa pública e teve seu processo de privatização concluído em 1991, durante o governo Collor. Além da bolsa brasileira, a companhia está listada na bolsa de valores de Madri (Latibex).

A empresa registrou um prejuízo líquido de R$ 424 milhões no primeiro trimestre deste ano. O Ebitda teve uma alta de 17% na comparação anual, para R$ 569 milhões. A dívida líquida consolidada no último dia de março era de R$ 3,6 bilhões, um crescimento de 11,5% em relação ao final do ano passado, sobretudo pelo impacto do câmbio.

“A Usiminas, como todas siderúrgicas, teve queda drástica durante o período de pandemia. Havia preocupação com as exportações para a Argentina, que realmente foram reduzidas. O mercado havia precificado resultados piores do que os divulgados”, disse o especialista.

Os papéis da Usiminas, uma das companhias dentre as small caps que melhor desempenharam neste mês, valorizaram 31,26% em maio, sendo cotados a R$ 6,13. No acumulado do ano, as ações da empresa possuem uma desvalorização de 34,73%.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião