Negócios

Confira as small caps que mais desvalorizaram em fevereiro

0

O mês de fevereiro foi de alta volatilidade na B3. O surto da epidemia do coronavírus (Covid-19), o qual foi confirmado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma pandemia, encontrou seus primeiros hospedeiros no Brasil e, após a abertura do mercado depois do feriado do carnaval, recuou mais de 7%, atingindo, principalmente, as small caps.

Embora os dias seguintes àquela que foi uma das piores semana do Ibovespa desde a crise subprime tenham sido de invariáveis valorizações, algumas small caps fecharam o mês com uma acentuada queda.

O SMAL11, ETF que replica a carteira teórica de small caps do mercado, caiu 10,62% em fevereiro. Da mesma forma que o índice, seguindo seus critérios metodológicos, confira quais foram as quatro ações que pior desempenharam desde o primeiro dia do mês, salientando que esta matéria não é uma recomendação de investimento.

Saraiva

A Saraiva (SLED3) é uma companhia focada em educação, cultura e entretenimento. A empresa, que atua por meio do conceito multicanal omnichannel, reportou o prejuízo de R$ 58,83 milhões no terceiro trimestre de 2019. A livraria enfrenta um processo de recuperação judicial desde o ano passado.

O Conselho de Administração da empresa aprovou, no dia 27 de fevereiro, o aumento de capital de R$ 300,4 milhões. O montante será distribuído em cerca de 38,72 milhões de ações.

Com a aprovação do pedido de recuperação judicial da empresa, a proposta de pagamento de 5% da dívida total ao longo de 15 anos foi aceita. Os 95% restantes serão pagos por meio da emissão de debêntures, que ocorrerá 16 anos após a homologação do acordo.

O valor de mercado da Saraiva, uma das small caps do mercado, é de R$ 77,68 milhões. Em fevereiro, a companhia apresentou uma desvalorização de 36,68%. Nos últimos 12 meses, no entanto, as ações da empresa já subiram cerca de 12%.

Banco BMG

Fundado em 1932, o Banco BMG (BMGB4) é uma instituição financeira especializada na liberação de crédito por meio de canais de venda diversificados. O banco realizou a oferta pública inicial de ações (IPO) em outubro do ano passado, movimentando R$ 1,6 bilhão.

Entre outubro e dezembro de 2019, o lucro líquido recorrente do BMG foi de R$ 74 milhões, alta de 21,3% na comparação de base anual. No lucro acumulado do ano passado, o banco obteve ganhos de R$ 367 milhões. Em 2018, o valor foi de R$ 171 milhões.

Confira: Banco BMG elege Ana Karina Bortoni Dias como nova presidente

A rentabilidade sobre patrimônio líquido (ROAE) saiu de 6% para 20,7% no quarto trimestre de 2019. No ano, o ROAE chegou a 12,5% recorrente, ante 10,8% de 2018. No entanto, após a divulgação dos resultados da companhia, os papéis chegaram a cair 17% no dia 14 de fevereiro.

O Banco BMG possui um valor de mercado de R$ 3,83 bilhões. No mês passado, a companhia apresentou uma desvalorização de 34,55%. Desde sua abertura de capital, os papéis do banco caíram quase 40%.

Tecnosolo

A Tecnosolo Engenharia S.A. (TCNO4) encontra-se entre as maiores empresas de consultoria brasileiras, elaborando projetos, supervisão e gerenciamento dos mais diversos empreendimentos.

Criada e sediada no Rio de Janeiro há mais de 55 anos, a empresa presta serviços no Brasil e no Mundo com o conceito de Engenharia Total, o qual desempenha um amplo espectro de serviços da função.

O Tecnosolo possui um valor de mercado de R$ 12,48 milhões. Em fevereiro, a empresa apresentou uma desvalorização de 30,59%. No último ano, o papéis da companhia apresentam uma queda de 10,06%, e chegaram a custar R$ 0,48.

CVC Corp.

A CVC Corp. (CVCB3) é uma das maiores empresas ligadas ao setor de turismo no Brasil. Criada em 1972, a empresa possui um vasto histórico de aquisições, expansão do modelo de franquias e liderança no mercado de viagens corporativas, viagens de lazer e viagens de intercâmbio.

A companhia, no entanto, está sendo fortemente impactada por razões externas desde o ano passado. A quebra da Avianca, que fez com que a empresa desembolsasse cerca de R$ 100 milhões em processos e ressarcimentos aos clientes, abalou os últimos resultados da empresa. Além disso, o óleo no nordeste, a crise econômica da Argentina e a disseminação do coronavírus assombram as operações da companhia.

Saiba mais: Presidente da CVC renuncia, Leonel Andrade assume

No dia 28 de fevereiro, a CVC comunicou o mercado, após uma avaliação preliminar, que encontrou indícios de erros contábeis no balanço de resultados do quarto trimestre do ano passado. No pregão seguinte ao comunicado, as ações da empresa chegaram a cair 15%.

O valor de mercado da CVC é de R$ 2,98 bilhões. Apenas em fevereiro, a companhia apresentou uma queda de 29,51% em suas ações.

Nos últimos 12 meses, os papéis da companhia, que integra o índice das small caps com uma participação de 1,12%, já desvalorizaram mais de 50%.

Telegram Suno

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.