Política

Seguro-desemprego e abono salarial poderão ser pagos por bancos privados

0

As instituições financeiras estatais Caixa e Banco do Brasil (BBSA3) deixarão de ter a exclusividade no pagamento do seguro-desemprego e do abono salarial. Essa é a proposta da Medida Provisória 905/2019, do governo de Jair Bolsonaro.

Pela legislação anterior, esses pagamentos eram exclusivos da Caixa e do Banco do Brasil. Entretanto, a medida abre a possibilidade de bancos privados exercerem a atividade. “Os pagamentos dos benefícios do Programa Seguro-Desemprego e do abono salarial serão realizados por meio de instituições financeiras, conforme regulamento editado pela Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia“, diz a MP.

Confira: Exclusivo: Via Varejo investiga possível fraude em balanços da companhia

O Contrato de Trabalho Verde Amarelo foi anunciado pelo governo na última segunda-feira (11) e formalizado na última quarta-feira (12) em medida provisória.

Dentre os vários pontos da nova medida, o governo decidir por taxar o seguro-desemprego para arcar com os custos do novo tipo de contrato trabalhista.

De acordo com Rogério Marinho, secretário de Previdência e Trabalho, o custo para diminuir os impostos às companhias que contratarem dentro do ‘Verde Amarelo’ é de R$ 10 bilhões em até cinco anos.

Saiba mais: Banco do Brasil registra lucro de R$ 4,5 bilhões no 3º trimestre

Dessa forma, o governo resolveu cobrar 7,5% do seguro-desemprego de quem está desempregado e recebendo o benefício. Dessa forma, é esperada a arrecadação de R$ 11 bilhões a R$ 12 bilhões no período de cinco anos.

Embora o programa de estímulo ao emprego tenha data para terminar, no final de 2022, a taxação do seguro-desemprego será permanente. O plano prevê a geração de 1,8 milhão de postos de trabalho até 2022 para jovens entre 18 e 29 anos que ainda não tiveram emprego com carteira registrada. Os mais velhos, com mais de 55 anos, não estão inclusos na proposta final. O teto da remuneração na nova modalidade será de 1,5 salário mínimo, ou seja, R$ 1.497.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.