Internacional

Saudi Aramco levanta US$ 25,6 bilhões em IPO

0

A Saudi Aramco levantou US$ 25,6 bilhões (cerca de R$ 130 bilhões) em sua Oferta Pública Inicial (IPO). A informação foi divulgada nesta quinta-feira (5) pela agência AFP.

As ações da Saudi Aramco serão cotadas na Bolsa de Valores de Riad, capital da Arabia Saudita. A precificação inicial ficou em 32 riales (cerca de US$ 8,53). Uma cotação que elevou o valor total da estatal petrolífera saudita para cerca de US$ 1,7 trilhão.

Dessa forma, a Saudi Aramco se tornou a petrolífera mais valiosa do mundo. Além disso, o valor obtido no IPO da estatal saudita superou o resultado obtido pelo Alibaba em sua estreia na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) em 2014. O gigante varejista chinês tinha obtido US$ 25 bilhões na operação de abertura de seu capital.

Saiba mais: Abu Dhabi pode investir US$ 1,5 bilhão em IPO da Saudi Aramco, diz fonte

Entretanto, o IPO da Saudi Aramco despertou um interesse médio por investidores internacionais. Por isso a Arábia Saudita foi obrigada a apostar em seu mercado doméstico e em investidores locais, como o governo de Abu Dhabi. No total, o governo saudita vai vender uma fatia de 1,5% da estatal petrolífera.

IPO complicado

A Saudi Aramco deu início a seu IPO no dia 3 de novembro após uma série de adiamentos. O príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, que decidiu a operação há quase quatro anos, tem como objetivo levantar bilhões de dólares para investir em outras indústrias sem vínculo com o setor de petróleo. Uma estratégia para criar empregos e diversificar a economia do país árabe, que é o maior exportador de petróleo do planeta.

O governo de Abu Dhabi estuda investir até US$ 1,5 bilhão (cerca de R$ 6,3 bilhões) no IPO da Saudi Aramco.

De acordo com as fontes, o investimento na abertura de capital da Saudi Aramco será realizado por meio de uma ou mais entidades vinculadas ao emirado. Os recursos poderiam contribuir para a abertura de capital da estatal petrolífera saudita que foi postergada anteriormente.

As pessoas ouvidas pela agência de notícias informaram ainda que executivos da petrolífera estão em negociações com fundos e empresas de Abu Dhabi com o objetivo de avaliar possíveis investimentos.

Na próxima quarta-feira (27), o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman fará uma visita oficial a Abu Dhabi. O príncipe foi responsável por autorizar a listagem da petrolífera no início deste mês.

Ainda não se sabe quais estatais participarão do IPO da Aramco. Segundo as fontes, o tamanho do investimento ainda pode passar por alterações.

Na oferta, o governo da Arábia Saudita pretende arrecadar aproximadamente US$ 25 bilhões com a venda de 1,5% de participação da petrolífera. Além disso, segundo divulgados neste mês, a empresa está avaliada entre US$ 1,6 trilhões e US$ 1,7 trilhões.

Estatais chinesas no IPO da Saudi Aramco

De acordo com informações divulgadas pela Bloomberg no início deste mês, empresas estatais chinesas estariam estudando investir entre US$ 5 bilhões e US$ 10 bilhões no IPO da Saudi Aramco.

Saiba mais: Saudi Aramco: Estatais chinesas podem investir até US$ 10 bi em IPO

Entre as partes que participaram de conversas para comprar ações na oferta da petrolífera está a Silk Road Fund, de Pequim. De acordo com a agência, as fontes teria dito que alguns outros fundos chineses ou empresas estatais também poderiam participar.

O presidente da China, Xi Jinping, planeja aumentar a influência política de seu país e retomar rotas comerciais antigas sob a iniciativa “Cinturão e Rota”. Um investimento na Saudi Aramco poderia consolidar os laços com a Arábia Saudita e proporcionaria à China um jeito de lucrar com o aumento dos preços do petróleo.

Compartilhe a sua opinião

Carlo Cauti
Editor-chefe da SUNO Notícias. Formado em Ciências Políticas pela universidade LUISS G. Carli de Roma e mestre cum laude em Relações Internacionais, Jornalismo Internacional e de Guerra e em Economia Internacional. No Brasil, teve passagem por veículos de comunicação como O Estado de S.Paulo, G1, Veja e EXAME. Também trabalhou nas agências de notícias italianas ANSA e NOVA.