Santander (SANB11) leiloa 96 imóveis em 11 regiões do Brasil

Santander (SANB11) leiloa 96 imóveis em 11 regiões do Brasil
O advogado imobiliário, Ernesto Rezende Neto, aponta que um dos principais impactos no setor de imóveis foi a dificuldade do locatário em pagar aluguel.

O Banco Santander (SANB3; SANB4; SANB11) leiloará 96 imóveis espalhados por 11 estados brasileiros, na próxima terça-feira (28) às 11h30. A responsável pelo leilão será a Frazão Leilões.

Entre os imóveis do Banco Santander que serão leiloados, estão casas, apartamentos e salas comerciais, espalhados pelo Brasil nos seguintes estados:

  • Ceará;
  • Goiás;
  • Mato Grosso
  • Minas Gerais;
  • Pará;
  • Paraná;
  • Pernambuco;
  • Rio de Janeiro;
  • Rio Grande do Sul;
  • Santa Catarina;
  • São Paulo.

Conheça o Suno One, a central gratuita de informações da Suno para quem quer aprender a investir. Acesse clicando aqui.

Em relação as condições de pagamento, o banco informa que oferece financiamento de até 80% do imóvel, com uma taxa de 6,99% no crédito imobiliário em até 420 meses. Além disso, o lance inicial nos lotes é até 70% menor que o valor de mercado.

Na mesma data, o Banco Inter (BIDI11) também leiloará 15 imóveis espalhados por Alagoas, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São paulo e Sergipe. A responsável também será a Frazão Leilões.

Santander pede na Justiça revisão de contratos com RBVA11

A crise causada pela pandemia do coronavírus (covid-19) serviu como argumento para que o Santader (SANB11) traçasse uma estratégia jurídica para tentar revisar contratos firmados há quase uma década com o fundo Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11).

A estratégia do banco espanhol passa por pedir, separadamente, a reavaliação de 28 contratos, firmados com o RBVA11, de prédios que abrigam agências do Santander espalhadas pelo Brasil.

O SUNO Notícias apurou que a judicialização dos contratos deixou executivos da Rio Bravo, que administra o fundo RBVA11, incrédulos. O fundo possui cerca de 28 mil cotistas e tem um patrimônio de cerca de R$ 1,4 bilhão. O contrato com o banco espanhol representa cerca de 55% da rentabilidade da carteira atual e 30% do total.

Veja também: Santander (SANB11) realiza leilões de imóveis com descontos de até 70%

O argumento do Santander, que anunciou lucro de R$ 3,7 bilhões no primeiro trimestre de 2020, é que a crise do coronavírus colocou o banco em risco financeiro e que o valor dos aluguéis está acima do praticado pelo mercado.

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião