Economia

Riscos de desaceleração econômica global continuam, diz Campos Neto

0

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, declarou nesta segunda-feira (30) que as incertezas sobre o comércio mundial continuam.

De acordo com Campos Neto, as incertezas econômicas são consequências da guerra comercial entre Estados Unidos e China. O presidente do BC ressaltou que a probabilidade de que ocorra uma recessão econômica nos EUA está crescendo.

“O cenário externo segue incerto, e os riscos associados a uma desaceleração mais intensa da economia global permanecem”, afirmou Campos Neto.

Por outro lado, o presidente do BC ressaltou que há um aumento de credibilidade da economia do Brasil. O desempenho positivo é motivado pela queda da taxa de juro real do País.

Além disso, as reformas da Previdência e tributária foram apontadas como fatores necessários para o avanço econômico brasileiro.

Caso as reformas sejam interrompidas, Campos Neto ressaltou que a inflação pode subir e os prêmios de risco do País podem ser prejudicados. “A continuidade desse processo é essencial para a queda da taxa de juros estrutural e para a recuperação sustentável da economia”, afirmou o presidente do BC.

Real será beneficiado com fim da guerra comercial

Nesta segunda-feira, a agência de notícias Bloomberg ressaltou que o real deverá ser a moeda emergente mais favorecida caso Estados Unidos e China entrem em um acordo na guerra comercial.

Saiba mais: Real será a moeda emergente mais beneficiada por acordo na guerra comercial, diz jornal

Além da moeda brasileira, o baht tailandês e o shekel israelense também serão favorecidos em um desfecho positivo.

A pesquisa leva em conta 19 moedas desde meados de 2017, quando o conflito comercial entre os EUA e o país asiático apresentou seus primeiros capítulos. Em geral, a expectativa dos especialistas é que a economia global também apresente melhora com o término do conflito.

Campos Neto: Recuperação econômica será gradual

Apesar da incerteza no cenário externo, essa não foi a primeira vez que o presidente do BC foi otimista em relação à economia brasileira. Segundo ele, a economia do País deve acelerar nos próximos trimestres, de forma gradual.

“Em relação à atividade econômica, dados recentes sugerem a possibilidade de retomada do processo de recuperação da economia brasileira, que tinha sido interrompido nos últimos trimestres. Nosso cenário supõe que essa retomada ocorrerá em ritmo gradual”, afirmou Campos Neto.

Compartilhe a sua opinião

Giovanna Oliveira
Giovanna Oliveira escreve sobre economia e política para o portal Suno Notícias. Antes, foi repórter do portal de jornalismo da ESPM-SP e produziu conteúdo para a Corinthians TV. É estudante da ESPM.