Economia

Reajuste dado a ministros do STF terá impacto de 1,6 bi

0

O reajuste salarial dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) pode gerar um impacto superior a R$1,6 bilhão nas contas da União, de acordo com o ministro do Planejamento, Esteves Colnago.

Ainda de acordo com Esteves, a revogação do auxílio-moradia por parte dos ministros abate parcialmente os gastos com o reajuste.

O reajuste foi sancionado na segunda-feira (26), pelo atual presidente da República, Michel Temer. Agora, o salário dos ministros do STF passará de R$ 33 mil para R$ 39 mil.

Em contrapartida, como medida para diminuir o impacto, o ministro do Supremo Luiz Fux, suspendeu o auxílio-moradia.

Perderam o auxílio-moradia, os integrantes do (a):

  • Judiciário;
  • Ministério Público;
  • Defensorias públicas;
  • Tribunais de contas.

Com o reajuste dado aos ministros do STF é gerado um efeito cascata no funcionalismo. O salário dos ministros são o teto no serviço público. Após o reajuste, um aumento automático é dado aos magistrados e aos integrantes do Ministério Público.

Saiba mais: Temer aprova reajuste salarial de 16,38 % para o STF

Cálculo do impacto

De acordo com o ministro do Planejamento, o reajuste dos salários terá impacto de R$ 1,1 bilhão no  bilhão no Judiciário.

Entretanto, o resto do valor será divido em R$ 250 milhões no Judiciário e no Ministério Público.

Outros R$ 300 milhões serão destinados ao executivo federal. O Legislativo não teve seus valores informados pelo ministro.

Esses valores serão gastos por causa do novo teto do funcionalismo após o reajuste dado aos ministros, que agora é R$ 39 mil (antes R$ 33 mil).

Compartilhe a sua opinião

Renan Bandeira
Renan Bandeira escreve sobre política e economia para o portal da Suno Research. Antes da Suno, trabalhou em uma rede de televisão, onde fazia reportagens sobre os mesmos temas. Estuda na Universidade Metodista de São Paulo.