Economia

IPC-S desacelera a 0,15% na primeira quadrissemana de setembro

0

O Índice de Preços ao Consumidor – Semanal (IPC-S) apresentou desaceleração a 0,17% na última quadrissemana de agosto para 0,15% no primeiro estudo do mês de setembro, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV), nesta segunda-feira (9).

Na apuração do IPC-S, apenas duas das oito classes de despesa registraram queda nas taxas de variação, com a maior participação sendo da categoria de Habitação (0,81% para 0,62%).

O grupo foi impactado positivamente pela perda de força da energia elétrica (3,36% para 2,54%), devido o fim do efeito de alta do acionamento da bandeira vermelha 1 em agosto. Neste mês, a bandeira continua a mesma.

Saiba mais: Boletim Focus confirma previsão de crescimento do PIB em 2019

Já o grupo de Alimentação aumentou sua deflação no período, indo de -0,36% para 0,44%. Nesta classe de despesa, a FGV salientou o deslocamento das bebidas alcoólicas (1,70% para 0,96%).

Inflação do IPC-S

Veja algumas classes que apresentaram alta nas taxas de variação:

  • Transportes (0,13% para 0,25%)
  • Vestuário (-0,29% para -0,01%)
  • Educação, Leitura e Recreação (saindo de 0,13% para 0,27%)
  • Comunicação (de 0,38% para 0,42%)
  • Saúde e Cuidados Pessoais (0,18% para 0,19%)

O grupo Despesas Diversas apresentou novamente a taxa de variação negativa de 0,05% da última apresentação. O principal fator da alta veio de alimentos para animais domésticos (-1,35% para -0,96%) e a de queda foi clínica veterinária (0,35% para -0,04%).

Confira alguns itens individuais que contribuíram para a baixa do indicador:

  • Tomate (-25,83% para -29,67%)
  • Batata inglesa (-11,30% para -6,44%)
  • Cenoura (-16,96% para 15,60%)
  • Mamão papaia (5,80% para -6,23%)
  • Alface (-5,16% para -5,84%)

O índice mede a variação de preços de produtos e serviços em sete capitais do país. É calculado pela FGV e teve seu início de apuração em 2003. O indicador registra a evolução de preços de maneira quadrissemanal, com fechamentos nos dias 7, 15, 22 e 30 de cada mês.

O IPC-S reflete o impacto da inflação no custo de vida de famílias com renda mensal de 1 a 33 salários mínimos, residentes nas seguintes capitais: São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife e Brasília.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.