Queda do Nasdaq seria “culpa” do SoftBank

Queda do Nasdaq seria “culpa” do SoftBank
Softbank

O movimento de forte baixa que o Nasdaq está enfrentando nos últimos dias poderia ter um responsável: o mega-fundo de investimento japonês SoftBank.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

O SoftBank teria se transformado na “baleia Nasdaq após comprar bilhões de dólares em derivativos de ações de empresas de tecnologia dos EUA. Um movimento aparentemente sem explicação clara, mas que estimulou a alta febril das semanas passadas, antes da uma forte retração iniciada na última quinta-feira (3).

Segundo fontes familiarizadas com o assunto, que falaram com os jornais “Financial Times” e “Wall Street Journal”, em agosto o conglomerado japonês comprou grandes quantidades de opções de ações de tecnologia, contribuindo para aumentar os volumes de negociação no maior nível dos últimos 10 anos. Uma aposta que um banqueiro chegou a descrever como “perigosa”.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Esse movimento agressivo no mercado de opções marca um novo capítulo na história dos investimentos do SoftBank. Nos últimos anos, o grupo japonês fez grandes apostas em start-ups de tecnologia através do seu fundo Vision Fund, que tem uma potência de fogo de US$ 100 bilhões (cerca de R$ 550 bilhões).

Após as fortes quedas registradas nos mercados do mundo inteiro por causa dos efeitos da pandemia do novo coronavírus (covid-19) o SoftBank mudou seu jeito de investir, estabelecendo uma unidade de gestão de ativos usando o capital aportado por seu fundador, Masayoshi Son.

E, no mês passado, teria iniciado uma negociação de derivativos vinculados a alguns desses novos investimentos, gerando enormes volumes de negociações. Segundo o banco de investimento norte-americano Goldman Sachs, o valor nominal geral das call negociadas nos EUA foi em média de US$ 335 bilhões por dia nas últimas duas semanas. Isso é mais do que o triplo da média móvel de 2017 a 2019. Um frenesi que nem o recente boom do comércio de varejo eletrônico explicaria.

Movimento do SoftBank gera rally e incerteza

O aumento na compra de call teria provocado um verdadeiro rally das ações grandes empresa de tecnologia. Por exemplo, no final do mês passado as ações da Tesla subiram 26% em menos de uma semana, enquanto a Alphabet, controladora do Google, assim como a Amazon, subiram cerca de 9%.

Esse boom das opções, entretanto, deixaria o mercado de ações dos EUA vulnerável à novas explosões de volatilidade.

E por isso que o mercado de ações dos EUA estaria subindo junto com o índice Vix – conhecido como o “índice do medo” de Wall Street – algo incomum. Além disso, isso significa que as ações estão frágeis e vulneráveis ​​ao tipo de revés repentino que eclodiu na quinta-feira.

A forte queda do mercado registrada nas últimas horas teria sido dolorosa para a SoftBank. E uma queda ainda maior e mais duradoura do mercado de ações poderia ser ainda mais prejudicial para essa estratégia, levando para quedas ainda mais acentuadas.

A compra de opções ocorreu junto com um investimento de US$ 10 bilhões que a SoftBank realizou através do novo braço de gestão de ativos.

De acordo com um documento enviado no mês passado à Securities and Exchange Commission (SEC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos EUA o SoftBank comprou participações de quase US$ 2 bilhões na Amazon, Alphabet, Microsoft e Tesla. Investimentos parcialmente financiados por recursos obtidos através de seu programa de venda de ativos de US$ 41 bilhões, iniciado durante a turbulência nos mercados provocada pela Covid-19.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião