Economia

Produção industrial cai 0,3%, registrando o pior julho em 4 anos

0

A produção industrial caiu 0,3% em comparação com o mês passado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esta é a terceira queda mensal seguida.

Em comparação com julho ano passado, o tombo foi ainda mais acentuado, de 2,5%. No acumulado de 2019, a queda é de 1,7%. Com o resultado deste mês, o patamar da produção industrial no Brasil está em 18,3% abaixo do ponto mais alto do indicador, ocorrido em maio de 2011.

Ramos da produção industrial

De acordo com o IBGE, 11 dos 26 ramos estudados reportaram quedas na produção, frente a um recuo em 17 setores em junho. Julho, portanto, teve uma queda concentrada em menos segmentos.

“O que há de diferente deste resultado de julho em relação às quedas de maio e junho é o fato de que o recuo desse mês ficou mais concentrado, com um número maior de atividades crescendo na margem”, salientou o gerente da pesquisa, André Macedo.

As principais quedas de julho foram:

  • Produtos químicos (2,6%)
  • Bebidas (-4,0%)
  • Produtos alimentícios (-1,0%)

“No caso de alimentos, é a terceira queda seguida e isso guarda uma relação com a parte relacionada ao açúcar, cuja produção tem sido direcionada mais para a produção de etanol, por exemplo, e isso traz impactos negativos para o setor de alimentos”, afirmou o gerente.

Veja também: Boletim Focus aumenta prévia para crescimento do PIB

Já no cenário de grandes categorias econômicas, apenas bens intermediários registraram quedas, tanto na comparação com julho do ano passado (-5,4%), quanto no acumulado de 2019 (-3%), pressionada pela indústria extrativa.

“São duas visões diferentes da mesma atividade. Na margem, observamos uma recuperação parcial da extração de minério de ferro, devido à reabertura gradativa de sítios de mineração, após um período de suspensão para fiscalização. Porém, frente a 2018, a base de comparação é alta e percebe-se claramente que ainda há muita influência do rompimento da barragem de Brumadinho”, conclui o gerente da pesquisa.

No acumulado do ano, 14 dos 26 ramos, 43 dos 79 grupos e 53,3% dos 805 produtos pesquisados apresentam quedas.

Perspectivas

A produção industrial em 2019 tem sido afetada pelo ritmo desacelerado da economia em sua recuperação.

A queda na exportações para a Argentina também está influenciando, assim como a tragédia de Brumadinho (MG), em janeiro, impactou.

Confira: Presidente do Banco Central prevê estabilidade do PIB no segundo trimestre

Os economistas das instituições bancárias preveem um cenário de estagnação para a produção industrial neste ano, com uma alta limitada a 0,08%. Segundo o Boletim Focus da última segunda-feira (2), a previsão do PIB para 2019 é uma alta de 0,87%.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.