Preço dos imóveis residenciais cai em setembro, segundo Fipezap

Preço dos imóveis residenciais cai em setembro, segundo Fipezap
Crise causada pelo coronavírus faz com que empresas busquem redução dos aluguéis. Precedente pode ser perigoso. Clique para saber mais.

Segundo a pesquisa Fipezap, divulgada nesta quarta-feira (9), o preço médio das residências finalizou o mês de setembro em queda, em comparação com o mês anterior. Os preços dos imóveis caíram cerca de 0,15%.

Já os preços acumulados dos imóveis em 2019, de janeiro a setembro, seguem com avanços menores que a inflação. No mesmo período do ano passado, a queda havia sido um pouco menor, de 0,03%. Em agosto deste ano, o aumento foi de 0,06%. A pesquisa leva em consideração os valores dos anúncios de vendas de casas ou apartamentos.

Na apuração de agosto para setembro, foi registrada uma queda de 0,15% do preço médio das residências. Baseando-se na inflação de 0,05% para o mesmo período prevista pelo Boletim Focus, do Banco Central (BC), a variação representa uma diminuição de 0,2% nos preços em termos reais.

Confira: Concessões de infraestrutura só terão impacto no PIB em 2021, diz Itaú

De janeiro a setembro, o preço médio dos imóveis aumentou 0,17%. Portanto, uma queda real de 2,2% se considerada a inflação de 2,42% registrada no mesmo período.

Já na comparação com os últimos 12 meses, os preços reportaram uma alta de 0,28%, montante que significa uma queda de 2,47% se for considerada a inflação também prevista para o mesmo período.

Imóveis acompanham deflação do IPCA

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a inflação no mês de setembro regrediu 0,04%. Essa é a menor taxa para o mês desde 1998.

A queda do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi puxada pela retração dos preços nas bebidas e alimentos. Além disso, a pesquisa traz a inflação de 2,89% nos últimos 12 meses, abaixo do reportado nos 12 meses anteriores.

Saiba mais: Senadores dos EUA querem investigação sobre aquisições da JBS

O acumulado está dentro da meta de inflação do governo para este ano. Economistas ouvidos pelo BC estimam que a inflação terminará o ano com uma taxa de 3,42%.

Dessa forma, o preço dos imóveis segue alinhado com o estimado pela instituição monetária central para os índice inflacionário do Brasil neste ano.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião