PIX: pagamento instantâneo do BC deve concorrer com cartão de crédito

PIX: pagamento instantâneo do BC deve concorrer com cartão de crédito
PIX: pagamento instantâneo do BC deve concorrer com cartão de crédito

O modelo de pagamento instantâneo do Banco Central (BC), o PIX, irá competir diretamente com o cartão de crédito, segundo o sócio fundador da Dinamo Networks, que venceu a licitação para implantar o sistema, Marco Zanini.

O executivo da empresa que fornecerá equipamentos de segurança para a implementação do PIX afirmou que o modelo não será somente concorrente das transferências bancárias e dos cartões de débito. O sistema também irá permitir o pagamentos de compras parceladas. Segundo Zanini, o sistema também permitirá pagamentos de compras em parcelas. “Isso permite substituir o cartão de crédito”, destacou.

“O sistema do pagamento instantâneo permitirá que a liquidação de compras seja feita em 30 dias, por exemplo”, salientou o fundador da Dinamo Networks.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O PIX, previsto para entrar em vigor no mês de novembro, é uma das principais apostas do Banco Central para impulsionar o aumento da competição do sistema financeiro do Brasil.

PIX deve elevar concorrência com meios tradicionais

De acordo com o sócio fundador da Dinamo Networks, com a gradual inclusão de possibilidades adicionais de pagamentos, a concorrência com os meios tradicionais dever aumentar ainda mais;

O pagamento instantâneo já foi implementado com modelos semelhantes em outros 34 países. O sistema deverá funcionar 24 horas por dia e em todos os dias do ano. O custo por transação está previsto para unidade de centavo de real, o que tende a fazer as instituições financeiras a subsidiarem o custo para conquistarem clientes.

Saiba mais: WhatsApp quer entrar no PIX, modelo de pagamento instantâneo do BC

As aplicações a prazo ou em parcelas não ficarão disponíveis de imediato quando o modelo entrar em operação, segundo Zanini. Entretanto, a arquitetura do sistema já irá permitir essas e outras adaptações, gradualmente incluídas, conforme a concorrência cresça.

A autoridade monetária ainda não esclareceu se haverá teto para transações por meio do PIX. No entanto, especialistas ponderam que é provável que o BC estabeleça limites de valores no início do sistema até o mercado se sentir mais confiante com a utilização da plataforma.

Além disso, ainda há dúvida quanto à solução para casos de eventuais estornos de transações e ao funcionamento da responsabilização por fraudes.

Para o Zanini, o PIX dará à autarquia maior controle sobre a movimentação monetária do que nos meios tradicionais, pois terá mais visibilidade sobre “moedas alternativas”, como cashback por exemplo.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião