Internacional

PIB dos Estados Unidos no 2º trimestre é revisado para baixo

0

O crescimento da economia dos Estados Unidos desacelerou no intervalo abril-junho mais do que o anunciado inicialmente. O aumento do consumo das famílias foi ofuscado pelo desempenhos mais fracos em outras categorias.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos ajustado pela inflação aumentou em uma taxa anualizada de 2%, segundo o Departamento de Comércio em divulgação nesta quinta-feira (29).

PIB dos Estados Unidos dentro do esperado

Embora tenha representado uma desaceleração, o indicador dos EUA ficou dentro das estimativas dos analistas e mostram ligeira queda em comparação com a taxa de 2,1% reportada anteriormente.

Os gastos do consumidor, que são equivalentes a dois terços da da economia do país, cresceram 4,7%, ultrapassando todas as previsões. Esse é o maior avanço desde 2014.

A revisão do crescimento do PIB, entretanto, reflete as expectativas mais baixas de exportações, estoques, investimentos residenciais e gastos dos governos estaduais e locais.

O resultado parcial mostra que a meta de crescimento de 3% ao ano, estipulada pelo governo de Donald Trump, fica mais longe de ser alcançada. A maior economia do mundo enfrenta complicações oriundas da imposição de tarifas chinesas aos seus produtos. Esses tarifas serão elevadas em 1º de setembro.

Confira: Guerra Comercial: EUA aumentarão tarifas sobre produtos chineses

O relatório que foi divulgado nesta quinta-feira (29) dá ênfase de até que ponto os consumidores podem sustentar uma expansão econômica que está instável em outros segmentos.

A estruturação da revisão mostrou que os gastos com consumo pessoal, que representa o maior fator de crescimento nesses meses, contribuíram com 3,1% para o crescimento do PIB.

As exportações líquidas aumentaram 0,72%. Já o investimento em capital fixo permaneceu com uma contribuição levemente negativa.

A queda nos investimentos em capital fixo podem significar estarem sentindo o impacto das tarifas de Trump, pois as empresas postergam seus investimentos e repassam os custos aos consumidores na ponta.

Veja também: EUA e França fazem acordo sobre imposto de serviços digitais

Desconsiderando os componentes comerciais e de estoque do PIB, as vendas finais para os consumidores domésticos foram elevadas em 3,6%, revisadas para cima.

Por vezes enxergado por economistas como um sinal da demanda subjacente, esse indicador pode mostrar que o crescimento dos Estados Unidos no trimestre foi mais forte do que o número total.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.