Pfizer recebe autorização para ampliar estudos da vacina no Brasil

Pfizer recebe autorização para ampliar estudos da vacina no Brasil
A Pfizer recebeu autorização da Anvisa para dobrar número de voluntários de sua vacina no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou nesta sexta-feira (18) que concedeu autorização à farmacêutica americana Pfizer e à sua parceira alemã BioNTech para dobrar o número de voluntários de sua vacina contra o coronavírus no Brasil.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

Com isso, o número de participantes dos testes do potencial imunizante da Pfizer sairá de 1 mil para 2 mil no País. Até o momento, os estudos da vacina da empresa acontecem nas capitais dos estados da Bahia e de São Paulo. As regiões de avaliação continuam as mesmas, apesar do aumento do total de voluntários.

Além da ampliação da base de participantes, a autoridade reguladora também autorizou o corte na faixa etária para viabilização, antes fixado no patamar mínimo de 18 anos. Com a mudança, pessoas mais jovens, a partir de 16 anos, poderão participar dos estudos. As “solicitações para a ampliação do número de voluntários, entre outras alterações, são comuns em testes clínicos”, comunicou a Anvisa.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Pedidos para ampliar estudos vieram da Pfizer

As solicitações para aumentar o número de voluntários e reduzir a faixa etária mínima foram realizadas pela Pfizer, informou a Anvisa. A farmacêutica fez o mesmo movimento para obter a aprovação do Food and Drug Administration (FDA, a agência reguladora dos Estados Unidos), conseguindo elevar o número de participantes de 30 mil para 44 mil.

A Pfizer está desenvolvendo o imunizante em parceria com a alemã BioNTech, uma vacina dupla com base no RNA mensageiro do novo coronavírus, estratégia similar ao produto fabricado pelo laboratório norte-americano Moderna.

A vacina da Pfizer já está na fase 3 de testes, a última antes de ser aprovada pelas autoridades mundiais de saúde. De acordo com o presidente da farmacêutica, Albert Bourla, o resultados da últimas etapa devem estar disponíveis no início de outubro.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião