Petrobras (PETR4) tem no STF desafio para desestatização

Petrobras (PETR4) tem no STF desafio para desestatização
Petrobras (PETR4) tem no STF desafio para desestatização

O início do julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) nesta quarta-feira (30) sobre o modelo de venda das refinarias da Petrobras (PETR4) deve sinalizar ao mercado a velocidade que o processo de desestatização da petroleira deve tomar, de acordo com especialistas ouvidos pelo SUNO Notícias.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

O STF julgará a ação que busca impedir a venda das refinarias da Petrobras sem licitação ou aval do Congresso. O processo chegou ao STF em julho, a pedido do Senado e da Câmara dos Deputados.

O ponto de controvérsia se deve a forma como as refinarias estão sendo vendidas. Como o STF já deu o aval para venda de subsidiárias sem a aprovação do Congresso, a gestão de Roberto Castello Branco tenta vender as refinarias da estatal como subsidiárias.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O questionamento do Congresso, contudo, afirma que tais refinarias seriam ativos que formam a própria Petrobras e, por isso, precisariam de um aval do Congresso para a venda – o que impactaria de forma negativa na velocidade das vendas.

“O que o Senado diz é que o governo estaria ‘burlando’ o entendimento fixado pelo Supremo com essa forma de venda. Ou seja, o governo estaria criando subsidiárias para alienar ativos. Essa subsidiária seria constituída apenas para alienar as refinarias, por exemplo, e vendê-las”, disse André Portugal, mestre em Direito Constitucional pela Universidade de Coimbra (Portugal) e especialista em Direito Constitucional pela Academia Brasileira de Direito Constitucional (ABDConst).

Para Portugal, apesar do momento de desestatização dos ativos da União, a estratégia encampada pela atual gestão da Petrobras é bastante controversa

“As críticas apontam que ativos muito estratégicos das estatais, e que são essenciais, estão sendo vendidos. Então o que o STF pode fazer é estabelecer alguns critérios para que essa venda venha a acontecer, mas com alguns condições, como por exemplo, até um percentual”, disse.

Além disso, o STF também pode entender que a venda das refinarias pela Petrobras sem aval do Congresso possa ferir o monopólio da estatal no refino.

“O que está sendo alienado são duas refinarias. E essa atividade é monopólio da União, então pode haver algum problema nesse sentido. Há também esse aspecto bastante controverso”, afirmou.

O caso estava sendo analisado na última semana, mas o plenário virtual foi suspenso pelo ministro Luiz Fux, presidente do Supremo, o qual decidiu pela retomada do julgamento em plenário físico.

Até agora, três ministros do STF mostraram-se favoráveis à concessão de uma liminar para a suspensão das privatizações: Edson Fachin (relator), Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio Mello.

O jornal “Valor Econômico” informou ainda que, diante da possibilidade de um revés no julgamento do STF, o governo Bolsonaro reforçou a sua interlocução com os ministros da Corte e, agora, nutre expectativa mais otimista.

O presidente da Petrobras manteve o entendimento de membros do governo.

“Acredito que o STF fará a lei prevalecer e que a decisão de 2019 será respeitada. Não fizemos nada errado. Temos acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) [que obrigou a estatal a vender oito de suas refinarias], e o processo foi acompanhado pelo Tribunal de Contas da União (TCU)“, salientou Castello Branco.

A expectativa, porém, é que o julgamento só seja encerrado nos próximos dias.

Julgamento pode interferir no preço das ações da Petrobras

O julgamento iniciado nesta quarta-feira (30) pode interferir no preço das ações da Petrobras. Segundo especialistas ouvidos pelo SUNO Notícias, como a velocidade da desestatização pode ser afetada, os agentes do mercado podem

De acordo com Felipe Tadewald, especialista da Suno Research, o montante levantado com a venda das refinarias deveria ser investido no core business da empresa, além de desalavancar a companhia.

“A ideia da Petrobras era se desfazer de parte de suas refinarias para investir em seu core business, que é o segmento de E&P. Com as vendas, a empresa pretendia levantar caixa para reduzir dívida e investir em negócios mais rentáveis dentro da cadeia”, disse.

A Petrobras procura realizar desinvestimentos e retirar-se de negócios em diversas vertentes, com o intuito de reduzir sua dívida e voltar seus esforços ao pré-sal, cujo processo exige altos investimentos. Em função da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), a estratégia tomou força, uma vez que a baixa demanda por petróleo derrubou os preços da commodity, pressionando o caixa da companhia.

Com a possibilidade de as vendas terem que passar pelo Congresso e, necessariamente, tomarem um caminho mais longo, o mercado pode ajustar a expectativa acerca do preço dos papéis.

“Com a possibilidade da venda dessas refinarias serem travadas, a Petrobras pode ter sua estratégia de desalavancagem prejudicada, bem como seus investimentos reduzidos, prejudicando em parte as perspectivas para a empresa. Então a tendência é que as ações sofram com um eventual movimento desses”, afirmou o especialista sobre a Petrobras.

Vinicius Pereira

Compartilhe sua opinião