Petrobras (PETR4) diz que atingiu recorde mundial de regaseificação de GNL

Petrobras (PETR4) diz que atingiu recorde mundial de regaseificação de GNL
O conselho da Petrobras aprovou a adesão a programas de redução de juros e multas de débitos do ICMS (Anistias)

A Petrobras (PETR4) informou, na manhã desta quinta-feira (17), que concluiu com sucesso o teste de operação com vazão instantânea de 30 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural, realizado no terminal de regaseificação de gás natural liquefeito da Baía de Guanabara (TR-BGUA).

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

O teste realizado no Rio de Janeiro, portanto, configura-se no novo recorde mundial de regaseificação com Floating Storage and Regasification Unit (FSRU). A Petrobras salientou que todas as etapas foram acompanhadas por uma empresa certificadora, com o intuito de atestar a aptidão do terminal para operar nas novas condições propostas.

Esse, inclusive, era um dos requisitos para a continuidade do processo de autorização da ampliação da capacidade operacional do TR-BGUA de 20 para 30 milhões de metros cúbicos diários junto às autoridades competentes, como o Instituto Estadual do Ambiente (INEA) e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natual e Biocombustíveis (ANP).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

O TR-BGUA está localizado no ocmpleto de terminais aquaviários da Baía de Guanabara (TABG), no Rio de Janeiro, próximo ao terminal da Ilha D’Água. O gasoduto integrante do terminal possui 15 quilômetros de extensão, sendo 10 km submarinos e 5 quilômetros terrestres, além de 28 polegadas de diâmetro, interligando o terminal à estação de recebimento de Campos Elíseos.

Petrobras revisa portfólio de E&P em meio à crise

A Petrobras informou, na noite da última segunda-feira (14), que revisou seu portfólio do segmento de Exploração & Produção (E&P), passando a focar em ativos de classe mundial em águas profundas e ultra-profundas. A revisão procura ajustar a posição da estatal em meio à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

De acordo com o documento publicado, a revisão da Petrobras está de acordo com as premissas de preço divulgadas nos números do primeiro trimestre deste ano. Também foram considerados os objetivos em desalavancagem, atingindo a meta de dívida bruta de US$ 60 bilhões em 2022; foco na resiliência, priorizando projetos com breakeven de preço de Brent de no máximo US$ 35 por barril; e revisão de toda a carteira de investimentos e desinvestimentos.

A Petrobras também estima um Capex entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões para o período entre 2021 e 2025, frente à estimativa de investimento de US$ 64 bilhões anunciados no Plano Estratégico de 2020-2024.

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião