Petrobras (PETR4) paga R$ 950 mi à Petros para encerrar litígio

Petrobras (PETR4) paga R$ 950 mi à Petros para encerrar litígio
A Petrobras estimou em US$ 6 bilhões o custo do descomissionamento de plataformas até o ano de 2024

A Petrobras (PETR4) informou nesta segunda-feira (10) que realizou o pagamento de R$ 950 milhões à Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) para encerrar o litígio arbitral proposto pelo fundo de pensão dos funcionários da empresa ligado ao investimento na Sete Brasil.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

“O acordo extinguiu o litígio sem reconhecimento de culpa ou responsabilidade por ambas as partes e não afeta outras ações judiciais ou arbitragens envolvendo as partes, bem como outros litígios envolvendo o investimento na Sete Brasil”, informou a Petrobras, em comunicado.

O processo da Petros tinha como objetivo responsabilizar a companhia estatal pelas perdas obtidas nos fundos de investimentos realizados na Sete Brasil. A empresa especializada em exploração na camada de pré-sal foi alvo das investigações de corrupção no âmbito da Operação Lava-Jato.

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro para trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Petrobras inicia venda de participação na concessão BM-S-51

A Petrobras também informou nesta segunda-feira que deu inicio ao processo para a venda de 50% a 100% de sua participação na concessão BM-S-51, localizada no polígono pré-sal da Bacia de Santos.

Conforme fato relevante, a companhias prevê a passagem de operação com a venda do ativo, no qual é operadora com 80% de participação, em consórcio com a Repsol Sinopec Brasil, que possui os 20% restantes.

O primeiro estágio para o processo de desinvestimento é a divulgação de oportunidade, teaser, com a publicação de informações e critérios de elegibilidade para as empresas que desejarem participar.

A estatal informou que a concessão está localizada em lâmina d’água de 350 metros a 1.650 metros, a cerca de 215 quilômetros da costa de São Paulo, e foi obtida no ano de 2005, em rodada de licitações promovida pela Agência Nacional de Petróleo (ANP).

“Esse bloco exploratório está estrategicamente posicionado em relação às descobertas da Bacia de Santos e áreas exploratórias dentro do polígono de partilha de produção”, comunicou a Petrobras.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião