Petrobras (PETR4) calcula em US$ 6 bi custo de descomissionamento até 2024

Petrobras (PETR4) calcula em US$ 6 bi custo de descomissionamento até 2024
A Petrobras estimou em US$ 6 bilhões o custo do descomissionamento de plataformas até o ano de 2024

A Petrobras (PETR4) comunicou nesta segunda-feira (28) que avaliou em US$ 6 bilhões (equivalente a R$ 202,68 bilhões na cotação atual do dólar) o custo de projetos em andamento de descomissionamento de plataformas e outros ativos da empresa até 2024.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! cadastro feitocom sucesso.

lead suno background

De acordo com a companhia estatal, o gasto neste ano foi estimado em US$ 500 milhões. Com isso, a petroleira informou que o custo em 2021 deve subir para US$ 2,3 bilhões, enquanto, em 2022 e 2023, a empresa desembolsará US$ 1,1 bilhão em cada ano. A previsão para 2024 seria então de 2024, segundo a Petrobras.

O plano da companhia prevê o descomissionamento de plataformas, gasodutos submarinos e poços offshore.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A Petrobras também informou que prevê a entrada de US$ 1 bilhão em caixa por conta de operações de desinvestimentos em 2020, após ter recebido US$ 14,4 bilhões em 2019.

Produção acumulada da Petrobras no campo Tupi atinge 2 bilhões de barris em julho

Além disso, a estatal petrolífera comunicou, mais cedo nesta segunda-feira, que a produção do campo Tupi, localizado no pré-sal da Bacia de Santos, chegou a 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe) em julho deste ano, conforme informações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A companhia salientou que o marco ocorre no mesmo ano em que são comemorados os 20 anos da assinatura do contrato de concessão do bloco BM-S-11, onde se localiza o campo e o maior produtor em águas profundas do mundo, com produção de cerca de 1 milhão de barris por dia (bpd).

A Petrobras destacou que venceu uma série de dificuldades na indústria, como a distância da costa e a existência de reservatórios com poucos análogos no mundo, em águas ultraprofundas e abaixo de uma espessa camada de sal. “Neste contexto, em parceria com instituições de pesquisa e empresas parceiras e fornecedores, a Petrobras desenvolveu uma série de tecnologias e inovações que permitiram a produção nos campos do pré-sal”, ressaltou a estatal.

Com informações do Estadão Conteúdo

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião