Internacional

Paulo Guedes diz que Brasil negocia criação de área de livre comércio com a China

0

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quarta-feira (13) que o governo brasileiro está negociando a criação de uma zona de livre comércio com a China.

“Estamos conversando com a China sobre a possibilidade de criarmos o free trade area (área de livre comércio), ao mesmo tempo que falamos em entrar na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)”, afirmou o ministro em seminário do Novo Banco de Desenvolvimento do Brics (sigla para Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

EXCLUSIVO: Via Varejo investiga possível fraude em balanços da companhia

Guedes defendeu que a integração entre Brasil e China seja concluída mesmo que o País não tenha mais a posição superavitária no saldo comercial com o país asiático.

Livre comércio não causaria problemas

O chefe da pasta econômica afirmou ter ouvido do governo chinês que não existiriam entraves para que o Brasil venda mais à China. Guedes salientou que eventual movimento contrário, em que os brasileiros reduzissem o saldo comercial, também seria benéfico para o Brasil.

“Eu não me incomodo se, em uma situação de superávit [do Brasil hoje] com a China, nós nos equilibrarmos ali à frente, aumentando as exportações em 50% e as importações dobrando ou mesmo triplicando. O que nós queremos é mais integração ainda”, comentou.

Atualmente, a China é o país que mais importa do Brasil, levando em consideração o valor dos produtos, de acordo com dados do Ministério da Economia. Em 2018, o saldo comercial entre os dois países ficou positivo para o Brasil em US$ 29 bilhões.

Saiba mais: Governo busca acelerar privatizações por meio de projeto de lei

Além disso, no ano passado, mais de 25% da exportação brasileira foi direcionada para os chineses. Quase 90% do total é de produtos básicos, já os semimanufaturados respondem por 8% e os manufaturados, 2%. As vendas de commodities, como soja, petróleo e minério de ferro respondem por 79% do total exportado pelo Brasil à China.

No caminho inverso, 98% dos produtos que o Brasil compra dos asiáticos são manufaturados. Outros 2% são de produtos básicos.

Veja também: Guedes diz que após reforma da Previdência próximo passo é o pacto federativo

No seminário, Guedes disse que o Brasil permaneceu isolado por 40 anos e que o País ainda possui uma das economias mais fechadas do planeta. Segundo o ministro, o governo tenta reverter esse cenário.

“Queremos nos integrar, perdemos tempo demais, temos pressa. Nós vamos fazer 40 anos em 4”, disse, quanto à possibilidade do estabelecimento da área de livre comércio.

Compartilhe a sua opinião

Jader Lazarini
Jader Lazarini escreve sobre mercado financeiro, política e economia para o portal de notícias da Suno Research. Anteriormente, trabalhou na Unidas. Estuda Relações Internacionais na Universidade Anhembi Morumbi.